Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    106,65
    +0,89 (+0,84%)
     
  • OURO

    1.806,10
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    20.308,17
    +257,47 (+1,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    435,17
    +3,70 (+0,86%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.311,22
    -81,82 (-0,31%)
     
  • NASDAQ

    11.541,75
    +12,25 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5007
    -0,0049 (-0,09%)
     

Ecossistema marinho é descoberto por cientistas em rio sob o gelo da Antártida

Cientistas da Nova Zelândia descobriram um ecossistema marinho vivendo 500 metros abaixo do gelo na Antártida, a centenas de quilômetros da plataforma de gelo de Ross. É a primeira vez que organismos do tipo são encontrados no ambiente aquático abaixo das calotas geladas do continente, cuja existência era, até então, apenas teorizada.

Parte do continente antártico é reclamada pela Nova Zelândia, que gerencia esforços através do instituto nacional Antarctica New Zealand — e financiou pesquisadores de universidades de Wellington, Auckland, e Otago e do Instituto Nacional de Água e Atmosfera (Niwa, na sigla em inglês) e Ciências Geológicas e Nucleares para o estudo do estuário sob o gelo, bem como as consequências de seu derretimento pelo aquecimento global.

Imagens capturadas pela câmera dos equipamentos da equipe neozelandesa (Imagem: Niwa/Craig Stevens)
Imagens capturadas pela câmera dos equipamentos da equipe neozelandesa (Imagem: Craig Stevens/Niwa)

Descoberta gelada

Huw Morgan, a líder do projeto antártico, observava imagens de satélite da plataforma de Ross quando identificou um possível estuário numa ranhura do gelo local. Para o estudo da calota, a equipe perfurou meio quilômetro de gelo até atingir o rio: foi quando a câmera do equipamento foi surpreendida por anfípodes, crustáceos parentes das lagostas, caranguejos e ácaros.

Acreditando ter algo errado com a câmera, os cientistas esperaram que ela focasse melhor, e quando isso aconteceu, foi notado um enxame de artrópodes com cerca de 5 milímetros de comprimento. Segundo os pesquisadores, alguns experimentos já haviam sido feitos em outras partes do gelo e eles acreditavam entender bem o ecossistema local, mas foram pegos de surpresa pela descoberta.

Felizes com a descoberta, os neozelandeses relatam ter pulado de alegria, já que ter tantos animais nadando em volta do equipamento submerso significa que, claramente, há um ecossistema importante no local. A rede de rios e lagos de água doce escondida sob o gelo já era conhecida por especialistas, mas nunca havia sido estudada diretamente. O sentimento da equipe é de pioneirismo em um novo mundo.

Base de onde a equipe de pesquisadores estudou o rio sob o gelo antártico (Imagem: Niwa/Craig Stevens)
Base de onde a equipe de pesquisadores estudou o rio sob o gelo antártico (Imagem: Craig Stevens/Niwa)

Os instrumentos foram deixados no rio para estudar o comportamento do ecossistema local, enquanto a água é estudada em laboratório. Outros achados locais abrangem outras áreas da ciência: o equipamento foi instalado dias antes da erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'pai, na ilha de Tonga, e detectou uma mudança de pressão significativa quando o tsunami passou pela cavidade.

Segundo os cientistas, os efeitos da erupção são um lembrete de como o planeta é conectado: em um lugar esquecido do mundo, ver influências em tempo real de eventos a mundos de distância é nada menos do que incrível.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos