Mercado abrirá em 9 h 54 min
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,61
    -1,03 (-1,70%)
     
  • OURO

    1.708,50
    -14,50 (-0,84%)
     
  • BTC-USD

    49.205,17
    +2.835,73 (+6,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    985,72
    +57,49 (+6,19%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.588,53
    +105,10 (+1,62%)
     
  • HANG SENG

    29.377,91
    -74,66 (-0,25%)
     
  • NIKKEI

    29.554,75
    -108,75 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    13.253,25
    -26,50 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7836
    -0,0120 (-0,18%)
     

Economistas reduzem projeção para rombo fiscal do governo em 2021 em mais de R$10 bi

Isabel Versiani
·1 minuto de leitura
Moedas de real

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - Economistas consultados pelo Ministério da Economia reduziram suas projeções para o déficit primário do governo central neste ano em mais de 10 bilhões de reais, mostrou o relatório Prisma divulgado nesta sexta-feira.

A estimativa é que o rombo feche 2021 em 211,8 bilhões de reais, segundo a mediana da pesquisa, número inferior ao déficit de 221,9 bilhões de reais projetado há um mês.

O prognóstico também está abaixo da meta fixada pelo governo na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), de déficit de 247,1 bilhões de reais, em cálculo que não incluiu despesas com o pagamento de novas parcelas do auxílio emergencial, cuja reedição já está sendo discutida abertamente pela equipe econômica e pelo próprio presidente Jair Bolsonaro.

A previsão dos economistas para o déficit primário em 2022, por outro lado, aumentou ligeiramente para 164,8 bilhões de reais, ante 163,9 bilhões há um mês.

A melhora da estimativa dos economistas para as contas neste ano acompanhou um aumento nas projeções para a receita líquida do governo --que tiveram mediana de 1,329 trilhão de reais, ante 1,324 trilhão de reais na pesquisa de janeiro.

A expectativa é que a dívida bruta do país feche este ano em 89,4% do PIB, praticamente estável em relação a 2020, quando o indicador ficou em 89,3%. Já para o próximo ano, os economistas veem um novo aumento do endividamento, para 90,45% do PIB.