Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.375,25
    -1.185,58 (-1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.728,87
    -597,81 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    93,20
    +4,75 (+5,37%)
     
  • OURO

    1.701,80
    -19,00 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    19.572,48
    -439,37 (-2,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,50
    -9,53 (-2,09%)
     
  • S&P500

    3.639,66
    -104,86 (-2,80%)
     
  • DOW JONES

    29.296,79
    -630,15 (-2,11%)
     
  • FTSE

    6.991,09
    -6,18 (-0,09%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.096,25
    -445,50 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0768
    -0,0367 (-0,72%)
     

Economistas ficam mais pessimistas com PIB da China em 2022

(Bloomberg) -- Os economistas ficaram mais pessimistas em relação à China. Eles rebaixaram ainda mais as previsões de crescimento para 2022 e veem riscos também para o próximo ano, com a persistência da crise imobiliária e dos surtos de Covid.

O PIB chinês deve crescer apenas 3,5% este ano, abaixo da previsão anterior de 3,9%, de acordo com a última pesquisa trimestral da Bloomberg junto a economistas. As projeções de crescimento para os três primeiros trimestres do próximo ano também foram reduzidas – entre 0,1 e 0,4 ponto percentual – embora a mediana para o ano de 2023 tenha permanecido inalterada em 5,2%.

Os cortes sugerem que os economistas não estão convencidos de que as recentes medidas de estímulo de Pequim conseguirão evitar a desaceleração.

Brendan McKenna, economista internacional do Wells Fargo, disse que há riscos negativos para as previsões de crescimento “em meio a um setor imobiliário ainda em dificuldades e restrições renovadas relacionadas a Covid”. Seu cenário base é que o PIB crescerá pouco mais de 3% este ano, mas vê um risco de enfraquecimento do crescimento para abaixo disso se a atividade econômica continuar se desacelerando.

O sentimento de negócios e consumidores sofreu um grande golpe este ano, quando os surtos de coronavírus levaram grandes cidades como Xangai a confinar suas populações e fechar negócios por um longo período de tempo. E a crise imobiliária se aprofundou este ano, com compradores boicotando as prestações de financiamento de imóveis inacabados. Mais recentemente, temperaturas recordes e secas levaram a apagões e a alguns fechamentos de fábrica.

O governo originalmente estabeleceu uma meta de crescimento do PIB de cerca de 5,5% para este ano. Com uma desaceleração acentuada e surtos de Covid, as principais autoridades têm minimizado a meta recentemente.

Além dos desafios atuais, os riscos subjacentes da economia, como demografia, manterão o crescimento abaixo de 5% nos próximos anos, disse Raymond Yeung, economista-chefe para China do Australia & New Zealand Banking Group.

“O crescimento potencial continuará a desacelerar devido à falta de melhoria da produtividade. Prevemos um crescimento do PIB de 4,2% em 2023 e 4,0% em 2024”, disse.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.