Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,47 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,20 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,52
    -0,19 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.783,10
    -22,40 (-1,24%)
     
  • BTC-USD

    18.116,81
    +348,75 (+1,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,87 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,28 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,41 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.273,25
    +121,00 (+1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3929
    +0,0530 (+0,84%)
     

Economista-chefe do BoE vê riscos para inflação no pós-pandemia

·1 minuto de leitura

LONDRES (Reuters) - O Reino Unido pode enfrentar pressões inflacionárias após a crise do coronavírus, mesmo que o desemprego permaneça alto, devido à potencial falta de trabalhadores qualificados para postos que seguem demandados, disse o economista-chefe do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), Andy Haldane.

Haldane, que votou contra a expansão do programa de compra de ativos do BoE no mês passado, disse ver riscos de alta e de baixa para a inflação no médio prazo.

"Houve algumas fraturas nas cadeias de suprimentos domésticas e globais, aumentando os custos de alguns bens e serviços. E é possível que uma taxa de desemprego de equilíbrio a longo prazo mais alta possa causar o ressurgimento antecipado das pressões salariais", disse Haldane em texto ao Comitê do Tesouro do Parlamento britânico.

(Por David Milliken)