Mercado abrirá em 1 h
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,10
    -1,56 (-1,89%)
     
  • OURO

    1.800,90
    +2,10 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    61.055,46
    +2.042,04 (+3,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.468,69
    -5,64 (-0,38%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.241,01
    -12,26 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.660,75
    +73,50 (+0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4215
    -0,0032 (-0,05%)
     

The Economist pede que chefe do FMI renuncie após escândalo de dados do Banco Mundial

·1 minuto de leitura
A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, em Washington

WASHINGTON (Reuters) - A revista The Economist pediu nesta quinta-feira que a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, renuncie ao cargo depois que um escândalo de manipulação de dados relacionado à China enquanto ela estava no Banco Mundial veio a público, dizendo que isso minou a credibilidade do FMI.

A influente revista, com sede em Londres, disse em um editorial contundente que as conclusões de uma investigação externa --de que Georgieva pressionou sua equipe por mudanças nas classificações do ranking "Doing Business", do Banco Mundial, em 2017, de forma a favorecer a China-- comprometem a capacidade do FMI de agir como guardião de dados para as estatísticas macroeconômicas do mundo.

"Quem lidera o FMI deve mostrar neutralidade enquanto dois de seus maiores acionistas, Estados Unidos e China, se confrontam numa nova era de rivalidade geopolítica", disse a The Economist, acrescentando que os críticos do multilateralismo já estão citando as descobertas como evidência de que os organismos internacionais não têm capacidade de enfrentar a China.

"A próxima vez que o FMI tentar arbitrar uma disputa cambial, ou ajudar a reescalonar a dívida de um país que tomou emprestado da China, os críticos do fundo certamente citarão esta investigação para minar a credibilidade da instituição. É por isso que Georgieva, uma estimada servidora de várias instituições internacionais, deve renunciar", disse o editorial.

(Por David Lawder e Andrea Shalal)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos