Mercado fechará em 6 h 32 min
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,39
    +3,21 (+4,85%)
     
  • OURO

    1.787,20
    +10,70 (+0,60%)
     
  • BTC-USD

    57.289,98
    -751,85 (-1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.471,35
    +28,58 (+1,98%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.160,40
    +100,95 (+1,43%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.390,25
    +239,75 (+1,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3410
    -0,0290 (-0,46%)
     

Economia de segunda mão ganha escala com gargalos logísticos

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Antes da pandemia, um carro novo quase sempre perdia valor no momento em que saía da concessionária. Essa obviedade da economia clássica não se sustenta mais.

Most Read from Bloomberg

O comprador de um Volkswagen Golf na Irlanda, por exemplo, poderia vender o modelo por um preço 15% maior, em média, em relação ao valor há um ano - e isso com 20 mil quilômetros extras. O mercado passa por um “período verdadeiramente único”, de acordo com Tom Gillespie, economista que analisou os números da DoneDeal, o maior marketplace de classificados da Irlanda.

Os preços na Irlanda são particularmente altos porque o Brexit interferiu no fluxo regular de carros usados do Reino Unido, e há poucas alternativas para veículos com volante à direita na Europa. Mas a tendência pode ser vista em outros lugares diante da escassez e atrasos para muitos produtos novos: a economia de segunda mão tem se tornado predominante e não é mais apenas para os que gastam com moderação.

Neste ano, o mercado de varejo online de produtos usados deverá superar US$ 65 bilhões, um recorde para o setor, de acordo com pesquisa da Mercari, um site de comércio eletrônico. O relatório da Mercari mostrou que três em cada quatro pessoas entrevistadas disseram que provavelmente comprariam pelo menos um item de segunda mão na temporada de festas.

Na Miss Pixie’s Furnishings and Whatnot em Washington, as vendas aumentaram 30% nas últimas semanas - um aumento antes do período típico da demanda de Natal na loja de utensílios domésticos vintage.

“Muitas pessoas dizem: ‘Não sei se o que eu queria comprar para alguém vai chegar a tempo’”, disse Pixie Windsor, proprietária da loja há 25 anos. Ela observa maior demanda não apenas para presentes como copos para coquetéis, decantadores e obras de arte, mas também para mesas e cadeiras que seriam usadas para as festas de fim de ano.

Na Alemanha, o número de visitantes da maior plataforma de classificados - usada principalmente para vender móveis e eletrônicos usados - registrou aumento de 20% em março em relação ao ano anterior, disse um porta-voz do eBay Kleinanzeigen.

A iniciativa de vender produtos mais sustentáveis tem ajudado principalmente empresas de roupas usadas, de acordo com a plataforma de e-commerce americana ThredUp, segundo a qual o segmento deve corresponder ao dobro do tamanho do mercado da chamada moda rápida, ou “fast fashion”, até 2030.

Não é apenas a disponibilidade de plataformas digitais e motivos dos consumidores que mudaram: vender coisas se tornou uma necessidade financeira para muitas pessoas.

Uma pesquisa do eBay mostrou que quase 75% dos entrevistados nos EUA, Reino Unido, Canadá, Alemanha e França começaram a vender bens usados no ano passado como fonte de renda extra; 14% disseram que o fizeram especificamente porque perderam o emprego.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos