Mercado fechará em 5 h 18 min
  • BOVESPA

    120.275,27
    +213,28 (+0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.923,11
    +55,49 (+0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,96
    -0,39 (-0,64%)
     
  • OURO

    1.785,10
    -8,00 (-0,45%)
     
  • BTC-USD

    54.692,59
    -931,39 (-1,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.277,28
    +34,22 (+2,75%)
     
  • S&P500

    4.170,86
    -2,56 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    34.030,48
    -106,83 (-0,31%)
     
  • FTSE

    6.918,58
    +23,29 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.925,25
    +6,00 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5911
    -0,1109 (-1,65%)
     

Economia se recuperará quando pessoas gastarem novamente, diz economista-chefe do BC britânico

·1 minuto de leitura
Economista-chefe do banco central britânico, Andy Haldane

LONDRES (Reuters) - O economista-chefe do banco central britânico, Andy Haldane, disse na quarta-feira que continua confiante de que a economia britânica está pronta para uma recuperação rápida à medida que o país segue em frente com suas vacinações contra o coronavírus e as restrições são suspensas.

"Meu sentido será... conversar com as pessoas, elas estão desesperadas para ter suas vidas de volta, desesperadas para sair gastando, socializando e trabalhando", disse Haldane à emissora ITV.

"E, se isso acontecer, algumas de suas economias ... serão gastas. Mesmo que seja uma pequena quantidade delas, estamos falando de uma recuperação bastante estrondosa."

Haldane tem sido o mais otimista dos nove membros do Comitê de Política Monetária do Banco da Inglaterra sobre as perspectivas de crescimento da economia, embora ele tenha dito que havia o risco de que as pessoas continuassem relutantes em sair e retomar suas vidas normais.

Haldane disse à ITV que é importante que as famílias gastem suas economias como forma de criar empregos para as pessoas mais afetadas pela crise -- os jovens, os pobres, os menos qualificados, as mulheres e as minorias étnicas.

No longo prazo, educação, infraestrutura e outros investimentos serão fundamentais para manter o crescimento e reduzir a desigualdade, disse ele.

(Por William Schomberg)