Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.488,51
    -146,66 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Economia do México cresce 0,9% no 3º tri, mas ímpeto diminui por aperto monetário

(Reuters) - A economia do México cresceu 0,9% no terceiro trimestre em relação ao período de três meses anterior, informou a agência nacional de estatísticas Inegi nesta sexta-feira, impulsionada principalmente pelo setor primário e apesar de um ciclo de aperto monetário agressivo em andamento.

O crescimento trimestral, o terceiro consecutivo no México, ficou ligeiramente abaixo das expectativas dos economistas, que previram avanço de 1,0% em pesquisa da Reuters, o mesmo nível mostrado por dados preliminares publicados pelo Inegi no final do mês passado.

Repetindo a tendência do trimestre anterior, a segunda maior economia da América Latina apresentou crescimento generalizado no período, com os setores primário, secundário e terciário crescendo 2%, 0,6% e 1,1%, respectivamente.

A expansão econômica ocorre mesmo quando o Banco do México segue um ciclo de aperto monetário agressivo para conter a inflação alta, o que levou os juros a uma máxima de 10% este ano.

Condições monetárias mais apertadas, no entanto, devem desacelerar o crescimento do PIB do México à frente, e o presidente Andrés Manuel Lopez Obrador pediu recentemente ao banco central que equilibre o combate à inflação com a necessidade de proteger o crescimento econômico.

No início deste mês, a Fitch Ratings disse esperar que o Produto Interno Bruto do México cresça 2,5% em termos reais em 2022 e 1,4% no próximo ano, enquanto o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê uma expansão de 2,1% este ano e 1,2% em 2023.

Em termos anuais, informou a Inegi, a economia do país cresceu 4,3% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período de 2021, superando as expectativas de crescimento de 4,1% dos economistas consultados pela Reuters.

Separadamente, dados mostraram nesta sexta-feira que a atividade econômica do México cresceu 0,7% em setembro em relação a agosto e 5,2% em relação a setembro de 2021, ambos também acima das projeções do mercado.

(Reportagem de Gabriel Araujo)