Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,20
    +0,12 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.778,40
    -5,00 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    33.571,68
    +1.114,64 (+3,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    809,13
    -1,07 (-0,13%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.074,06
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.800,27
    -74,62 (-0,26%)
     
  • NASDAQ

    14.298,75
    +35,75 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9305
    +0,0020 (+0,03%)
     

Economia francesa tem contração no primeiro trimestre

·1 minuto de leitura
O PIB da França no primeiro trimestre foi 4,7% inferior ao do final de 2019, antes do início da crise de saúde

A aguardada recuperação da economia francesa, afetada pelo impacto da covid-19, não se concretizou no primeiro trimestre, mas o governo continua otimista para o restante do ano.

O Produto Interno Bruto (PIB) registrou contração de 0,1% nos três primeiros meses do ano, anunciou o instituto nacional Insee, que chegou a projetar um crescimento de 0,4% para o mesmo período.

O primeiro trimestre do ano foi marcado por importantes restrições para frear a circulação do vírus, com o fechamento de vários estabelecimentos comerciais considerados não essenciais e limitações aos deslocamentos dentro do país.

Mas o que prejudicou a recuperação foi principalmente a atividade e o investimento no setor da construção.

O governo francês, no entanto, se apressou a confirmar a meta de crescimento de 5% do PIB para 2021. "Isto não muda nosso objetivo de nenhuma maneira", declarou o ministro das Finanças, Bruno Le Maire.

Depois de pedir aos franceses que "mantenham a calma e não desanimem por este ou aquele número", Le Maire disse que todos os indicadores atuais "apontam para uma alta".

O governo espera uma recuperação forte no verão (hemisfério norte, inverno no Brasil), similar ao grande avanço da economia no verão de 2020, após o primeiro confinamento, estimulado pelo consumo das famílias.

O ministro também reiterou o "objetivo estratégico" fixado desde o início da crise: "voltar no primeiro trimestre de 2022 ao nível de desenvolvimento econômico registrado antes da crise em 2019".

Mas o trabalho do governo aumentou um pouco após os resultados do primeiro trimestre.

O PIB continua sendo 4,7% inferior ao do final de 2019, antes do início da crise de saúde.

mhc-meb/zm/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos