Mercado abrirá em 34 mins
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,53
    +0,71 (+1,11%)
     
  • OURO

    1.838,30
    +14,30 (+0,78%)
     
  • BTC-USD

    50.319,88
    +74,24 (+0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.397,22
    +9,31 (+0,67%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    7.012,02
    +48,69 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.237,50
    +137,25 (+1,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3923
    -0,0202 (-0,32%)
     

Economia europeia ensaia reação apesar de temores por segunda onda da pandemia

·3 minuto de leitura
Bar em Paris, França, em 28 de outubro de 2020

A economia europeia registrou no terceiro trimestre de 2020 uma forte reação na comparação com o período anterior, com um crescimento recorde de 12,7% na Eurozona, apesar das preocupações com o impacto da segunda onda da pandemia de coronavírus.

De acordo com a agência europeia de estatísticas Eurostat, o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro teve no terceiro trimestre o melhor desempenho desde o início da série histórica em 1995, depois da queda expressiva de 11,8% no trimestre anterior.

O PIB do terceiro trimestre ainda é, no entanto, 4,3% inferior ao do mesmo período do ano anterior.

A Eurozona é composta por 19 países da UE que adotaram a moeda única. Graças a acordos específicos, Vaticano, Andorra, Mônaco e San Marino adaptaram o euro como sua moeda comum, mas não são considerados parte da Eurozona.

Para os 27 países da UE, a Eurostat anunciou um crescimento de 12,1% no terceiro trimestre em relação ao período anterior.

A Europa enfrenta uma severa segunda onda da pandemia de coronavírus e alguns países do bloco voltaram a adotar restrições drásticas, algo que pode se prolongar por todo inverno (hemisfério norte).

Discutido na quinta-feira (29) pelos líderes europeus em uma videoconferência, o cenário de um novo ciclo de restrições encarna as preocupações com o contínuo efeito econômico na região.

Estas medidas afetariam diretamente o último trimestre do ano.

Na terça-feira, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, admitiu que a situação de saúde no bloco é "muito séria", mas também expressou a confiança de que "ainda podemos frear a propagação do vírus, se cada um cumprir sua responsabilidade".

Individualmente, a Eurostat apontou a França como o país com o maior crescimento sobre o trimestre anterior (+18,2%), seguido da Espanha (+16,7%) e Itália (+16,1%).

No segundo trimestre, o PIB da Espanha desabou 17,8%. Em ritmo anual, porém, o PIB recua 8,7% na comparação com o mesmo período de 2019, sinal de que a quarta economia da zona do euro ainda está longe de recuperar o momento anterior à crise de saúde.

Além disso, o país entra no último trimestre do ano envolvido com medidas severas de contenção para frear a propagação da pandemia.

No caso da Itália, o forte crescimento do terceiro trimestre veio depois da queda de 13% nos três meses anteriores.

País da zona do euro mais afetado pela pandemia - com mais de 38.000 mortes -, a Itália calcula que este ano sofrerá a pior recessão desde a Segunda Guerra Mundial, com uma queda do PIB de entre 9% e 11,5%.

Ao mesmo tempo, a Alemanha, locomotiva econômica da Europa, teve no terceiro trimestre um avanço de 8,2% na comparação com o período anterior, quando havia registrado um retrocesso de 9,8%.

De acordo com a Eurostat, o PIB alemão ainda está -4,2% abaixo do terceiro trimestre de 2019.

A agência de estatísticas anunciou que a inflação na Eurozona em outubro voltou ao terreno negativo, de -0,3%, pelo terceiro mês consecutivo, e a taxa de desemprego permaneceu estável em 8,3%.

ahg-bur/eg/fp/tt