Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    55.113,27
    -7.173,16 (-11,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Economia da zona do euro volta a crescer em março com impulso de indústria, mostra PMI

·1 minuto de leitura
Fábrica da Knaus-Tabbert AG na Alemanha

LONDRES (Reuters) - A atividade econômica da zona do euro registrou um inesperado retorno ao crescimento este mês uma vez que as fábricas aceleraram a produção para o ritmo mais forte em mais de 23 anos, compensando a contínua desaceleração no setor de serviços, mostrou a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).

Mas com a maior parte da Europa sofrendo uma terceira onda de infecções por coronavírus e novas medidas de lockdown, assim como lenta vacinação, a leitura final da pesquisa e os números de abril podem ser mais fracos.

O PMI Composto preliminar do IHS Markit, considerado bom guia para a saúde econômica, ficou acima da marca de 50 que separa crescimento de contração ao chegar a 52,5 em março de 48,8 em fevereiro, nível mais alto desde o final de 2018.

A projeção mais otimista em pesquisa da Reuters dizia que o PMI subiria a 51,0, com a mediana das estimativas ficando em 49,1.

"Entretanto, o cenário se deteriorou, em meio ao aumento das taxas de infecção por Covid-19 e novas medidas de lockdown", disse Chris Williamson, economista-chefe do IHS Markit.

O PMI preliminar do setor de serviços subiu a 48,8 de 45,7 em fevereiro, ainda em território de contração mas na leitura mais alta desde agosto e bem acima da expectativa de 46,0.

Já o PMI de indústria foi a 62,4 de 57,9, resultado mais elevado desde que a pesquisa começou em junho de 1997 e bem acima de todas as projeções na pesquisa da Reuters, cuja mediana era de 57,7.

(Reportagem de Jonathan Cable)