Mercado fechará em 8 mins
  • BOVESPA

    108.275,18
    -838,98 (-0,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.088,79
    +280,23 (+0,63%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,54
    +1,83 (+2,39%)
     
  • OURO

    1.635,20
    +1,80 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    19.053,12
    -150,32 (-0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    437,14
    -22,00 (-4,79%)
     
  • S&P500

    3.648,41
    -6,63 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    29.148,60
    -112,21 (-0,38%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.306,75
    -9,50 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1584
    -0,0210 (-0,41%)
     

Economia da Ucrânia pode crescer 15,5% em 2023 após queda profunda, diz ministra

Pessoas fazem compras em mercado de Kostiantynivka, na Ucrânia

Por Andrea Shalal

KIEV (Reuters) - A economia da Ucrânia deve se estabilizar ao longo do próximo ano e crescer até 15,5% em 2023, dependendo da evolução militar na guerra contra a Rússia, que começou em 24 de fevereiro, disse a ministra da Economia do país à Reuters em uma entrevista.

Yulia Svyrydenko, que também trabalha como primeira vice-premiê, disse que os funcionários do governo estão compilando previsões macroeconômicas antes do início de negociações no próximo mês com o Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre um novo programa de empréstimos.

Cercada por sacos de areia no porão do Gabinete de Ministros em meio a avisos crescentes de possíveis ataques contra Kiev, Svyrydenko disse que as previsões atuais para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2023 variam de uma contração adicional de 0,4% a uma expansão de 15,5%, após uma provável contração de 30% a 35% este ano.

"Entendemos que temos que manter a economia em movimento. É muito difícil fazer novas previsões por causa da incerteza. Depende totalmente do cenário militar", acrescentou Svyrydenko.

A Ucrânia, que enfrenta o deslocamento interno de cerca de 7 milhões de pessoas e a perda de outros milhões que fugiram para a Europa, está se preparando para o que muito provavelmente será um inverno brutal marcado por escassez de energia, aumento da inflação e agravamento da crise humanitária.

(Reportagem de Andrea Shalal)