Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.100,89
    -2.769,50 (-7,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Economia da Turquia cresce mais que o esperado no 1º tri

·2 minuto de leitura
Distrito financeiro ed Levent, em Istambul

Por Ali Kucukgocmen

ISTAMBUL (Reuters) - A economia da Turquia cresceu 7% no primeiro trimestre, acima do esperado em relação ao ano anterior, mostraram dados oficiais nesta segunda-feira, uma vez que as restrições de combate à pandemia não afetaram as vendas no varejo, exportações e indústria.

O Produto Interno Bruto (PIB) expandiu 1,7% em comparação com o trimestre anterior em uma base com ajuste sazonal e ao calendário, mostraram dados da Agência de Estatísticas da Turquia.

Em pesquisa da Reuters, a previsão para o PIB era de um crescimento de 6,7% em relação ao ano anterior no primeiro trimestre.

O setor de informação e comunicações liderou o crescimento no trimestre, com expansão de 18,1% na base anual, seguido por alguns serviços que, juntos, cresceram 14,4%.

O setor industrial, que se recuperou bem da pior fase da pandemia no ano passado, cresceu 11,7%. Construção e setor imobiliário, motores em anos anteriores, foram os que ficaram mais para trás.

Embora a Turquia tenha sido uma das poucas economias a crescer no ano passado, sua taxa de crescimento tem diminuído nos últimos anos, muito abaixo do seu potencial de cerca de 5%.

Espera-se que o país volte a se firmar este ano com um crescimento de 5,5% de acordo com a pesquisa. Mas um pico recente nos casos de Covid-19 traz o risco de outra temporada de turismo perdida, exacerbando o pesado fardo da dívida externa da economia.

A atividade econômica deve desacelerar no segundo trimestre devido às condições financeiras mais restritivas e ao lockdown que cobriu parte do mês de maio. No ano passado, o PIB contraiu 10,3% no segundo trimestre.

Nos próximos meses, o banco central deve começar a reduzir sua taxa de juros de 19%.

Mas a inflação, que deve subir mais em maio indo contra as expectativas do banco central, e uma recente depreciação da lira poderão atrasar a flexibilização da política monetária.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos