Mercado fechará em 2 hs
  • BOVESPA

    111.643,59
    +733,98 (+0,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.514,96
    +340,90 (+0,68%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,50
    +2,30 (+2,94%)
     
  • OURO

    1.767,10
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    16.860,81
    +448,16 (+2,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,62
    -0,08 (-0,02%)
     
  • S&P500

    3.955,10
    -2,53 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    33.711,89
    -140,64 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.587,51
    +75,51 (+1,01%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.570,00
    +45,25 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4222
    -0,0344 (-0,63%)
     

Economia da França tem crescimento modesto no 3º tri e inflação atinge recorde

Rua de Paris

Por Richard Lough

PARIS (Reuters) - A economia da França apresentou um crescimento modesto no terceiro trimestre, com os gastos das famílias estagnados e um forte salto na inflação em outubro sinalizando obstáculos para o último trimestre do ano.

A economia da França cresceu 0,2% no período de julho a setembro, em linha com as expectativas do mercado, mostraram os dados preliminares da agência oficial de estatísticas, INSEE.

A inflação alta, a fraqueza das exportações e os riscos ao fornecimento de energia pesarão sobre a segunda maior economia da zona do euro nos próximos meses, disseram os analistas, no momento em que o Banco Central Europeu aumenta os juros para domar os aumentos de preços.

O presidente do Banco da França, François Villeroy de Galhau, disse que não vê motivo para revisar para baixo sua previsão de crescimento do PIB de 2,6% em 2022, mas que há sinais claros de fraqueza na zona do euro como um todo.

"Isso significa um crescimento resiliente este ano e pelo menos uma desaceleração significativa no próximo ano", disse Villeroy em webcast promovido pelo site financeiro Boursorama.

Villeroy, que também é membro do Banco Central Europeu, disse que já houve progressos "substanciais" no combate do BCE à inflação.

Após dois meses consecutivos de desaceleração da inflação na França, que contrariou a tendência mais ampla da zona do euro, os preços ao consumidor subiram em outubro. Os preços dos alimentos avançaram 11,8% no ano, enquanto os preços da energia subiram 19,2%.