Mercado fechará em 1 h 14 min
  • BOVESPA

    111.184,25
    -889,30 (-0,79%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.391,27
    -627,64 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,41
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.930,90
    -11,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    23.880,47
    +874,20 (+3,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    545,54
    +0,23 (+0,04%)
     
  • S&P500

    4.175,58
    +56,37 (+1,37%)
     
  • DOW JONES

    33.945,13
    -147,83 (-0,43%)
     
  • FTSE

    7.820,16
    +59,05 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    21.958,36
    -113,82 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    27.402,05
    +55,17 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    12.837,25
    +423,00 (+3,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4607
    -0,0937 (-1,69%)
     

Economia da China está aberta ao mundo, diz vice-premiê em Davos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O vice-premiê chinês, Liu He, enfatizou o apoio da China à economia privada, à cooperação internacional e à manutenção da paz mundial nesta quinta-feira (17) em um discurso no Fórum Econômico Mundial, em Davos.

O czar econômico também disse que a China defenderá o empreendedorismo e que as portas para o investimento estrangeiro estarão cada vez mais abertas.

"A China sempre vai promover uma abertura total e melhorar o nível e a qualidade da abertura", disse. "Investimentos estrangeiros são bem-vindos na China, e a porta para a China só se abrirá ainda mais."

O discurso ocorreu algumas horas após a divulgação dos dados do PIB (Produto Interno Bruto) chinês no quarto trimestre de 2022. A economia do país cresceu 3% no ano passado, um dos piores resultados em quase 50 anos.

Segundo o vice-premiê, contudo, o país está confiante de que sua economia voltará à sua tendência normal de crescimento em 2023 e espera um aumento sensível das importações, investimentos empresariais e consumo.

Liu, que está no cargo desde 2018, ainda disse que é impossível para a China voltar ao caminho de uma economia planificada. Ele também disse que continuará a apoiar o setor privado, promover a concorrência justa e aprofundar a reforma das gigantes estatais.

Nesta segunda-feira (16), o Departamento Nacional de Estatísticas mostrou que a economia da China desacelerou no quarto trimestre de 2022. O PIB cresceu 2,9% na comparação anual, menos que os 3,9% observados no trimestre anterior, de julho a setembro.

O resultado superou as expectativas dos analistas consultados pela Reuters, que previam uma expansão de 1,8% no trimestre, e ainda mostra os efeitos da política de "Covid zero" adotada pelo país.

Contudo, não foi suficiente para alcançar a meta de crescimento acumulado de 5,5% no ano -a expansão anual em 2022 foi de 3%. Excluindo o aumento de 2,2% no PIB após o primeiro golpe da Covid, em 2020, este é o pior resultado para a economia chinesa desde 1976.

Na comparação trimestral, o PIB ficou estável no período entre outubro e dezembro, ante expectativa de queda de 0,8% e ganho de 3,9% no trimestre anterior.