Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.021,45
    -637,24 (-1,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Economia da América Latina voltará a crescer em 2021, prevê Cepal

·2 minuto de leitura
Centro do Rio de Janeiro

SANTIAGO (Reuters) - A economia da América Latina voltará a crescer em 2021, após uma profunda recessão provocada pela pandemia do coronavírus neste ano, disse a comissão econômica da ONU para a região nesta quarta-feira.

A economia latino-americana crescerá 3,7% em 2021, após contração de 7,7% neste ano, informou a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal). Um relatório anterior de julho projetava retração mais profunda em 2020, de 9,1%.

"É a maior contração desde que os registros começaram em 1900. O PIB está caindo em praticamente todos os países", disse o relatório, o qual previu que serão necessários anos para retornar ao nível de atividade econômica de antes da crise.

As exportações regionais --dependentes de embarques de matérias-primas-- vão encolher 13% neste ano, com o volume das importações caindo 14%, o maior desde a crise financeira global de 2008-2009, mostrou o relatório.

Mesmo antes da pandemia, a América Latina já havia registrado crescimento médio e 0,3% nos seis anos até 2019. O relatório disse que a recuperação do próximo ano só ajudaria a mitigar o impacto da contração recorde.

O desemprego deve subir para cerca de 10,7%, disse o documento, com muitas pessoas abandonando a força de trabalho e a pobreza aumentando drasticamente.

"As cicatrizes deixadas pela maior crise das últimas décadas, com o aumento dos níveis de desemprego e pobreza, além da desigualdade, podem intensificar tensões sociais latentes com consequências para a retomada da atividade econômica nos países", alertou o relatório.

Tanto a recuperação global quanto a regional estarão ligadas à disponibilidade de uma vacina contra o vírus, acrescentou o documento.

A piora das condições financeiras globais e qualquer retirada prematura dos estímulos monetários e fiscais, tanto nas grandes economias desenvolvidas quanto em âmbito local, também representam riscos para a economia latino-americana, afirmou a Cepal.

(Reportagem de Natalia Ramos)