Mercado abrirá em 7 h 25 min
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,46
    -0,50 (-0,60%)
     
  • OURO

    1.773,80
    +3,30 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    63.855,91
    +1.150,28 (+1,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.478,61
    +15,25 (+1,04%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    26.125,96
    +338,75 (+1,31%)
     
  • NIKKEI

    29.311,96
    +96,44 (+0,33%)
     
  • NASDAQ

    15.380,00
    -18,50 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5169
    +0,0207 (+0,32%)
     

Economia argentina salta 17,9% no segundo tri, em recuperação da crise da pandemia

·1 minuto de leitura
Cultivo de milho em Chivilcoy, nos arredores de Buenos Aires

Por Hernan Nessi

BUENOS AIRES (Reuters) - A economia da Argentina deu um salto de 17,9% no segundo trimestre na comparação anual, acima do previsto por economistas, em uma forte recuperação após contração expressiva sofrida no mesmo período de 2020, quando a economia enfrentava o baque da pandemia da Covid-19.

A alta anual foi a maior dos registros recentes do país, grande exportador de grãos e carnes, e ficou acima da mediana das projeções dos analistas, de 17,3%. Na comparação com o trimestre imediatamente anterior, no entanto, a economia recuou 1,4%.

"A forte recuperação foi impulsionada pelo setor de construção, que estava voando no segundo trimestre", disse Lucio Garay Mendez, economista da consultoria EcoGo, acrescentando que o crescimento foi afetado pelo endurecimento das restrições relacionadas à Covid-19 no trimestre.

“Isso foi resultado da intensificação das restrições à mobilidade com a chegada da segunda onda”, disse.

A mediana de uma pesquisa da Reuters com 14 analistas apontava para um crescimento de 17,2%, com as estimativas variando de uma alta de 14% a 18% para o trimestre abril-junho.

A Argentina, mergulhada em recessão desde 2018, tenta agora se recuperar e retomar o caminho do crescimento após o impacto da pandemia, que atingiu gravemente a popularidade do governo de centro-esquerda de Alberto Fernández.

Na manhã desta terça-feira, o governo divulgou planos para afrouxar as restrições à pandemia, incluindo a flexibilização gradual do que têm sido controles de fronteira rígidos, em uma tentativa de reviver a atividade econômica e aumentar sua popularidade entre os eleitores cansados ​​das restrições.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos