Mercado abrirá em 7 h 37 min
  • BOVESPA

    118.811,74
    +1.141,74 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.352,18
    -275,49 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,86
    +0,16 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.729,70
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    60.588,39
    +86,54 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.295,78
    +1,19 (+0,09%)
     
  • S&P500

    4.127,99
    -0,81 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.745,40
    -55,20 (-0,16%)
     
  • FTSE

    6.889,12
    -26,63 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.603,66
    +150,38 (+0,53%)
     
  • NIKKEI

    29.774,59
    +235,86 (+0,80%)
     
  • NASDAQ

    13.787,50
    -21,25 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8192
    -0,0113 (-0,17%)
     

Economia alemã despenca em meio às restrições contra Covid-19, diz BC

·1 minuto de leitura
Praça Kennedy em Essen, Alemanha

FRANKFURT (Reuters) - A economia alemã deverá encolher acentuadamente neste trimestre à medida que as restrições para combate à pandemia atingem o setor de serviços e desaceleram a expansão da indústria de construção civil, disse o banco central do país nesta segunda-feira.

Em seu último relatório mensal, o Bundesbank pareceu abandonar as expectativas de uma recuperação na primavera no hemisfério norte e abandonou as referências à campanha de vacinação, que tem sido prejudicada por atrasos nas entregas e notícias de possíveis efeitos colaterais, como catalisador.

“As medidas para conter a pandemia estão, em média, mais rigorosas no trimestre atual do que no anterior”, disse o Bundesbank. “Portanto, a produção econômica no primeiro trimestre de 2021 deve diminuir drasticamente ... especialmente nos setores de serviços onde há contato intensivo.”

O banco central acrescentou que um aumento no imposto sobre as vendas, que havia sido temporariamente cortado no ano passado, provavelmente contribuiu para um declínio substancial no setor de construção civil em janeiro.

O Bundesbank havia dito no relatório do mês passado que a economia se recuperaria na primavera no hemisfério norte, com a queda das infecções por coronavírus e a distribuição de vacinas.

(Reportagem de Francesco Canepa)