Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.021,79
    +89,76 (+0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Eclipse solar anular é visto por sonda espacial na órbita da Terra

O satélite Hinode, da NASA, registrou três vezes a passagem da Lua em frente o Sol durante o eclipse do dia 25 de outubro. Embora os observadores na Terra tenham visto o Sol coberto apenas parcialmente, a sonda espacial conseguiu imagens de um eclipse anular.

Em um eclipse parcial, apenas parte do disco solar é bloqueada pela Lua. Foi isso o que os habitantes de regiões como África e Europa, Oriente Médio e Ásia viram no último dia 25 (o evento não foi visível no Brasil).

Mas, no espaço, uma espaçonave pode se posicionar exatamente no lugar onde pode fotografar um eclipse quase total. Esse foi o caso das imagens do Hinode. Ele registrou três vezes a passagem da Lua em frente nossa estrela.

A segunda passagem que observamos no vídeo é um eclipse anular, ou seja, a Lua cobriu o Sol quase por completo, deixando um halo luminoso ao redor de sua sombra. Esse halo é o brilho da coroa solar, visível apenas durante esse tipo de eclipse.

Com a missão de coletar dados sobre os campos magnéticos do Sol para entender sua atmosfera e as erupções solares, os instrumentos do Hinode “enxergam” os comprimentos de onda em raios-X. A missão é liderada pela Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA), Agência Espacial Europeia (ESA), a Agência Espacial do Reino Unido e NASA.

Outro registro do eclipse foi feito pela sonda Proba-2, que usou instrumentos de ultravioleta extrema. Essas diferenças de comprimentos de onda capturados por cada um dos satélites é o que proporciona as diferentes cores para representar a luz da nossa estrela.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: