Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -0,32 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    36.630,34
    +1.629,68 (+4,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,12 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -43,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

ECB Group fornecerá à BP 1 bi de litros de biocombustíveis avançados

Marta Nogueira
·2 minuto de leitura
Trabalhador com amostra de biodiesel em Iraquara (BA)

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O ECB Group assinou contrato com a britânica BP para venda de mais de 1 bilhão de litros de biocombustíveis avançados entre 2024 e 2029, a partir de biorrefinaria a ser construída no Paraguai, em um passo que reflete a busca de grandes petroleiras por zerar emissões, disse nesta quinta-feira o CEO do grupo brasileiro, Erasmo Carlos Battistella.

Com o negócio, o ECB, maior produtor de biodiesel do Brasil, garantiu demanda para 40% da capacidade da nova biorrefinaria no país vizinho, de 20 mil barris por dia.

Batistella ainda disse, sem dar detalhes, que novos contratos equivalentes a outros 50% da capacidade deverão ser fechados nas próximas semanas, com grandes petroleiras -- empresas que compõem o "hall das major oil", nas palavras do executivo.

Os demais 10% serão destinado a negociações spot.

As obras para a construção da biorrefinaria de biocombustíveis avançados, a primeira do hemisfério sul, chamada de Omega Green, terão início no segundo semestre e demandarão investimentos de 800 milhões de dólares. No pico da obra serão necessárias cerca de 5 mil trabalhadores, acrescentou o CEO do ECB Group.

Battistella destacou que o negócio é resultado da iniciativa crescente de grandes petroleiras, como a BP, de buscar zerar emissões nas próximas décadas.

"Os biocombustíveis, sem sombra de dúvida, são boas alternativas para esse fim", afirmou.

Dentre os produtos a serem produzidos na usina estão Óleo Vegetal Hidrotratado (HVO), também conhecido como diesel renovável, Querosene Parafínico Sintético (SPK), (Sustainable Aviation Fuel ou Biojet), e green naphtha, usado na indústria química para fabricação de plástico verde, entre outros produtos.

A escolha do país vizinho para a fábrica, segundo Battistella, foi definida há cerca de dois anos, devido a custos menores de energia, mão de obra e impostos, dentre outras questões.

"Como vamos trabalhar para exportar, é preciso estar em um ambiente muito competitivo", afirmou.

Discussões em andamento no governo brasileiro sobre um marco regulatório para biocombustível avançado devem criar no futuro um ambiente mais atrativo para o desenvolvimento de novos negócios no país, acrescentou o executivo.

"Vejo que é uma questão de tempo para o Brasil se tornar um importante produtor."

O ECB Group é atualmente o maior produtor de biodiesel do Brasil, com capacidade anual de 828 milhões de litros.

Em nota, a vice-presidente executiva da BP para trading & shipping, Carol Howle, afirmou que a compra significativa de biocombustíveis avançados com um grande produtor brasileiro fornece uma base importante para o crescimento da empresa na América do Sul.

Ela destacou ainda que o negócio está em linha com a estratégia da BP de oferecer combustível de baixo carbono aos clientes nos setores de transporte rodoviário e aviação

(Por Marta Nogueira)