Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.053,81
    -241,30 (-1,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Ebanx demite 20% do quadro em mais um corte entre startups

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A fintech curitibana Ebanx é mais recente startup a fazer demissões em massa este ano.

Nesta terça-feira (21), 340 pessoas foram avisadas que seriam desligadas —parte imediatamente, parte nos próximos seis meses. O corte equivale a 20% dos mais de 1.700 funcionários do grupo no Brasil.

A empresa, que presta serviços de pagamentos internacionais para companhias atuantes na América Latina, chegou ao valor de mercado de US$ 1 bilhão em 2019. Entre seus clientes estão Shein, Uber e Airbnb.

Em nota, a empresa disse que vai descontinuar projetos e revisar a sua operação. Os funcionários demitidos receberão valores adicionais, extensão do plano de saúde e computador de trabalho, afirma o grupo.

O setor de startups e tecnologia desacelera desde o início de 2022, após um ano de grandes investimentos. Em 2021, foram US$ 9,4 bilhões (em dezembro, cerca de R$ 53 bilhões) injetados na inovação brasileira, quase 2,6 vezes o que foi captado pelas empresas desse segmento em 2020 —US$ 3,5 bilhões.

O Ebanx afirmou que a decisão de revisar a operação foi tomada com base nesse cenário, "impactado de forma profunda e veloz pelo ambiente macroeconômico".

Em março, o presidente-executivo e fundador do Ebanx, João Del Valle, anunciou um adiamento de captação de recursos para o segundo semestre devido à volatilidade que impactou a avaliação das empresas e o humor dos investidores. A empresa anunciou também que não faria uma planejada oferta pública de ações (IPO) nos Estados Unidos no início do ano.

Em abril, QuintoAndar, Loft e Facily demitiram mais de 400 pessoas em uma semana. Assim como o Ebanx, são unicórnios —apelido das startups que valem mais de US$ 1 bilhão.

Em reposta à inflação, bancos centrais têm aumentado as taxas de juros —caso do BC brasileiro do americano, por exemplo.

Em março, após um longo período de juros zerados para estimular uma economia que quase parou com a crise sanitária, o Fed (Federal Reserve, o banco central americano) elevou a taxa em 0,25 ponto percentual.

Na última quarta-feira (15), o órgão promoveu o maior aumento de juros desde 1994: 0,75 ponto percentual. O país enfrenta a maior inflação em quatro décadas.

Taxas de juros mais altas tornam mais rentáveis aplicações menos arriscadas que startups —empresas em fase de crescimento acelerado que em muitos casos queimam caixa para superar as concorrentes.

A retração de serviços que cresceram na pandemia, como as compras online, também pesa no cálculo dos investidores. O setor havia sido beneficiado pela digitalização forçada que o isolamento social promoveu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos