Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.339,61
    +843,52 (+1,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

EA suspende contas relacionadas à venda de cartas de FIFA Ultimate Team

Felipe Demartini
·2 minuto de leitura

A Electronic Arts publicou neste final de semana a primeira atualização sobre o escândalo que ficou conhecido como EAGate, envolvendo a suposta venda direta de cartas raras de FIFA Ultimate Team a jogadores. Segundo a empresa, alguns perfis envolvidos em atividades suspeitas desse tipo foram bloqueados e a ideia é que, enquanto a investigação continua, todas as contas de usuários e vendedores que estejam envolvidos na prática sejam banidas permanentemente.

De acordo com a publicação da EA, um “pequeno número” de perfis foi identificado até agora e a empresa não dá uma previsão de quantas estão envolvidas no esquema. A empresa também afirma que todo o conteúdo vendido diretamente aos jogadores será deletado e que, enquanto as investigações acontecem, também está suspendendo a entrega direta de cards do FIFA Ultimate Team para celebridades, como medidas de suporte técnico para perda de conteúdo ou como parte de campanhas publicitárias do game.

Essa fala, inclusive, confirma aquilo que muita gente já considerava problemático desde que o escândalo foi detonado — a EA é, sim, capaz de entregar de forma discriminada as cartas raras de FIFA que, de outra maneira, somente aparecem em pacotes pagos e dependendo da sorte dos jogadores. Entretanto, a empresa não confirmou se a venda direta dos cards aconteceu pelas mãos de funcionários ou se as contas daqueles capazes de fazer isso foram comprometidas por terceiros em algum tipo de ataque direcionado.

De acordo com a empresa, o sistema, chamado de “entrega discricionária de conteúdo” serve, por exemplo, a ações de marketing, de forma que celebridades e jogadores possam receber suas próprias cartas no modo FIFA Ultimate Team. Da mesma forma, perdas de cards obtidos podem acontecer por falhas de servidor ou do próprio sistema do game, com a plataforma servindo para entregar de forma específica aqueles materiais que possam não terem sido registrados por causa de tais falhas. Ainda, testes de balanceamento e funcionamento podem depender disso, com perfis específicos sendo usados pela desenvolvedora em testes de qualidade do título.

A investigação continua, com a empresa afirmando estar levando o caso a sério e que pretende tomar todas as ações necessárias não apenas contra contas envolvidas, mas também caso funcionários sejam descobertos como os autores da prática. A ideia, afirma, é manter um ambiente justo e sem manipulações, entendendo que a situação é frustrante e afirmando se sentir da mesma forma que seus usuários.

Mais informações sobre o caso devem ser divulgadas em breve, na medida em que mais achados forem sendo feitos pela companhia. Com exceção da entrega direta de cartas pela própria empresa, o modo FIFA Ultimate Team e os outros recursos online dos títulos da série seguem funcionando sem problemas ou restrições.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: