Mercado abrirá em 1 h 37 min
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,84
    +0,23 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.845,30
    -5,60 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    31.341,59
    -382,59 (-1,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    629,15
    -10,77 (-1,68%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.642,19
    -11,82 (-0,18%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,03 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.535,50
    +50,00 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5096
    -0,0012 (-0,02%)
     

E se os aliens não tiverem se comunicado com a Terra por não existirem mais?

Redação
·2 minuto de leitura

Tom Westby e Christopher Conselice, professores da Universidade de Nottingham, trouxeram uma nova hipótese sobre a vida extraterrestre. Para eles, a Via Láctea até pode ter alguns mundos com tecnologias desenvolvidas o suficiente para entrar em contato conosco. Mas essas civilizações devem estar tão distantes que, quando um sinal emitido da Terra chegar lá, pode ser que não haja mais ninguém para recebê-lo.

Para isso, eles realizaram uma análise com uma adaptação da equação de Drake, para mostrar como a quantidade de civilizações inteligentes e com capacidade de comunicação na galáxia dependem da quantidade de estrelas da galáxia, além da idade delas, quantidade de planetas habitáveis e média de expectativa de vida.

(Imagen: Reprodução/Angela Harburn/Shutterstock)
(Imagen: Reprodução/Angela Harburn/Shutterstock)

Nossa galáxia possui 200 bilhões de estrelas, aproximadamente. Assim, considerando um cenário em que a vida poderia ocorrer somente na presença de estrelas similares ao Sol, restariam apenas 20% de planetas com potencial para abrigar vida. Pode não parecer, mas esse não é um número pequeno.

O problema é que é possível afirmar que civilizações com potencial de comunicação podem existir há aproximadamente 100 anos, já que este é o período em que a Terra vem emitindo ondas de rádio. Então, se nenhuma sociedade com altas tecnologias sobreviver por mais que um século, pode ser que tenham sobrado apenas algumas delas para entrarem em contato conosco.

Considerando um tempo de vida reduzido, de acordo com essas projeções, ficamos com apenas 36 civilizações comunicativas na galáxia, e seria quase impossível se comunicar com a mais próxima delas com a tecnologia atual. “A duração da vida das civilizações na nossa galáxia é desconhecida, e é o fator mais importante”, comentam Westby e Conselice. Para eles, está claro que expectativas de vida longas são necessárias para a galáxia contar com pelo menos algumas possíveis civilizações ativas.

Como ainda não houve sinais de civilizações querendo se comunicar, os professores então entendem que é possível que elas tenham se destruído e desaparecido da mesma forma como aconteceu com antigas civilizações da Terra.

O que você acha disso? Deixei suas impressões nos comentários!

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: