Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -0,21 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    24.330,19
    -159,41 (-0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,22 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,68 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +2,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2028
    -0,1209 (-2,27%)
     

É possível viajar mais rápido que a luz? Astrofísico diz que sim

Erik Lentz é físico da Universidade de Göttingen (Getty Images)
Erik Lentz é físico da Universidade de Göttingen

(Getty Images)

  • Astrofísico alemão diz que é possível viajar mais rápido que a luz;

  • Velocidade da luz é de 300 mil quilômetros por segundo e é considerada a mais rápida da natureza;

  • Modelo reduziria a níveis exorbitantes a distância entre a Terra e a estrela mais próxima, por exemplo.

Um astrofísico alemão publicou um estudo em que mostra que a velocidade da luz - de 300 mil quilômetros por segundo, até então considerada a mais rápida que as leis da natureza permitem - pode ser superada.

Segundo Erik Lentz, da Universidade de Göttingen, a tecnologia de “dobra espacial” poderia ser mais viável do que se pensava. O modelo funcionaria dobrando o tecido do espaço-tempo em torno de uma nave espacial, por exemplo, para que ela viajasse a uma velocidade MRQL (mais rápida que a luz).

Na prática, isso encurtaria a níveis exorbitantes algumas distâncias. Hoje, se um astronauta usasse o foguete mais moderno para chegar até a Proxima Centauri, a estrela que fica mais perto do nosso sistema solar, ele levaria mais de 50 mil anos em viagem. Entretanto, usando um motor de dobra MRQL, o tempo seria reduzido a dois ou três anos.

Entretanto, ainda há muito a ser estudado até que ultrapassar a velocidade da luz seja realmente possível. “Este trabalho moveu o problema das viagens mais rápidas que a luz um passo da pesquisa teórica em física fundamental e mais próxima da engenharia”, disse Lentz. “O próximo passo é descobrir como reduzir a quantidade astronômica de energia necessária para dentro do alcance das tecnologias atuais, como uma grande usina de fissão nuclear moderna. Então podemos falar sobre a construção dos primeiros protótipos”.

O estudo foi pulicado na Classical and Quantum Gravity e se chama, na tradução para o português, “Quebrando a barreira de dobra: sólitons hiper-rápidos na teoria do plasma de Einstein-Maxwell”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos