Mercado abrirá em 8 h 16 min
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,19
    -0,31 (-0,34%)
     
  • OURO

    1.766,40
    -4,80 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    22.829,26
    -556,42 (-2,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    542,87
    -14,86 (-2,66%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.852,92
    +89,01 (+0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.940,77
    -1,37 (-0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.501,75
    -21,50 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2115
    -0,0023 (-0,04%)
     

E-commerce fatura R$ 38,4 bilhões com 90 milhões de compras no 2º trimestre

Segundo a Neotrust, uma empresa que monitora o e-commerce brasileiro, o segmento de comércio online registrou um aumento de 4,3% no número de pedidos quando comparado ao segundo trimestre de 2021. Isso representa mais de 89 milhões de vendas. Nos meses de abril a junho o setor faturou mais de R$ 38 bilhões, uma queda de 3,2% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Os dados obtidos pela Neotrust mostra que neste segundo trimestre do ano houve uma queda no número de cliente únicos. Essa é a primeira vez que esse dado apresenta queda desde o início da pandemia.

O levantamento da empresa aponta que entre abril e junho o setor de varejo online contou com 37 milhões de clientes únicos, cerca de 1,4 milhão a menos comparado a 2021 que contou com cerca de 38,4 milhões de consumidores que compraram algum produto online.

Paulina Dias, Head de Inteligencia da Neotrust, destacou que apesar do aumento no número de compras online, a pesquisa mostra uma redução no faturamento e no valor médio das vendas no setor. A explicação para isso é a diminuição do poder de compra dos clientes devido ao cenário econômico desfavorável.

Apesar do aumento no número de compras online, pesquisa mostra que houve redução no faturamento e no valor médio das vendas no setor de e-commerce (Imagem:Reprodução/Guadalupe Carniel/Captura de tela)
Apesar do aumento no número de compras online, pesquisa mostra que houve redução no faturamento e no valor médio das vendas no setor de e-commerce (Imagem:Reprodução/Guadalupe Carniel/Captura de tela)

“O ticket médio das compras realizadas entre abril e junho de 2022 foi menor que o do mesmo período em 2021."

Em relação às regiões do país com maior representação no e-commerce, o destaque vai para a região Norte. O número de pedidos por lá teve um crescimento de 14,7%, com mais de 2 milhões pedidos online. O faturamento subiu 7,4% e arrecadou R$ 1,16 bilhão em vendas.

O Sudeste, região com o maior faturamento e vendas online do país, apresentou queda de 5,1% em receita e uma leve alta de 1,7% no número de pedidos.

Os produtos mais vendidos e as formas de pagamento preferidas do comércio eletrônico

A pesquisa revelou que no segundo trimestre de 2022, as categorias telefonia, eletrodomésticos e eletrônicos foram os três segmentos que representaram o maior faturamento para o setor de vendas online. No entanto as categorias com o maior número de pedidos foram o de moda e acessórios, beleza e perfumaria, e saúde, respectivamente.

Em relação às formas de pagamento preferidas pelos consumidores, o cartão de crédito foi o mais escolhido na hora de pagar as compras online. Cerca de 70% dos pedidos foram pagos com cartão de crédito no segundo trimestre do ano, representando uma participação de 72,6% no faturamento.

Pesquisa do e-commerce brasileiro mostra que cartão de crédito é o mais escolhido pelo consumidor na hora de pagar as compras online (Imagem:Reprodução/Envato-twenty20photos)
Pesquisa do e-commerce brasileiro mostra que cartão de crédito é o mais escolhido pelo consumidor na hora de pagar as compras online (Imagem:Reprodução/Envato-twenty20photos)

O PIX segue como destaque no varejo digital, a forma de pagamento avista representou mais de 11% dos pedidos realizados de abril a junho, com um total de 4% no faturamento. Ano passado, no mesmo período, as compras online com PIX representaram apenas 3% dos pedidos feitos e 1,6% de faturamento, o que mostra o crescimento dessa forma de pagamento.

Paulinia Dias destaca que o PIX e outras formas de pagamento, como as carteiras digitais, seguem crescendo no setor de vendas online, graças a rápida aderência e aceitação do consumidor com esse método que se mostra melhor que o boleto bancário, por exemplo.

No segundo trimestre, 9,6% dos consumidores deixaram de lado o boleto na hora de pagar, representando uma queda de 10% em participação do faturamento das empresas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos