Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.471,92
    +579,92 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,77 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,44
    -0,57 (-0,64%)
     
  • OURO

    1.789,90
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    23.282,58
    +102,91 (+0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    533,20
    -2,02 (-0,38%)
     
  • S&P500

    4.145,19
    -6,75 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    32.803,47
    +76,67 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.439,74
    -8,32 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.201,94
    +27,94 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    28.175,87
    +243,67 (+0,87%)
     
  • NASDAQ

    13.226,00
    -2,75 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2565
    -0,0840 (-1,57%)
     

E as periferias? 5G chega para apenas 25% da cidade de São Paulo

O sinal 5G deve demorar um pouco mais para chegar nas periferias da cidade (Getty Image)
O sinal 5G deve demorar um pouco mais para chegar nas periferias da cidade (Getty Image)
  • Sinal 5G chega na cidade de São Paulo nesta quinta-feira (4)

  • Apenas 25% da cidade terá cobertura de sinal na primeira fase

  • Periferias precisarão esperar ainda mais para ter acesso ao recurso

Historicamente, as periferias são as áreas da cidade mais negligenciadas durante a modernização dos espaços urbanos. Com a chegada do 5G ao Brasil, não foi diferente.

A quinta geração da internet móvel chega à capital paulista nesta quinta-feira (4). Com a tecnologia, os paulistanos poderão navegar na internet a até 1 gigabit por segundo, uma velocidade 100 vezes maior do que a da rede 4G.

São Paulo será a quinta cidade a receber o 5G. Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre e João Pessoa foram as primeiras capitais a receber o sinal. No entanto, a velocidade máxima só será alcançada em alguns pontos do município, por enquanto.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) diz que o 5G em São Paulo vai começar com 25% da área urbana coberta, com destaque para a parte central da cidade. As zonas com pessoas de maior renda, como as que vivem no Itaim Bibi, Jardim Paulista e Paraíso, estão nessa lista.

A história se repete. Em 2013, as empresas de telecomunicações estavam fazendo comunicados à imprensa anunciando o início da oferta de produtos e serviços de telefonia móvel com conectividade 4G. Oito anos depois, as periferias e favelas não foram incluídas na universalização da rede com a mesma qualidade que os centros urbanos e bairros mais ricos.

Enquanto no Jardim Ângela, distrito com 300 mil habitantes, existem 1,23 antenas de celular para cada 10 mil moradores, no Itaim Bibi, há 48,28 antenas de celular para cada 10 mil habitantes.

Apesar do acesso à comunicação ser reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como um direito humano, as pessoas que moram nas bordas da cidade ainda precisarão esperar um pouco mais para terem acesso à um recurso que já pode ser utilizado por quem vive nas zonas quem têm o metro quadrado mais caro da cidade. Nenhuma novidade.

E a Lei das Antenas?

Prometendo melhorar o sinal nas periferias, a prefeitura de São Paulo aprovou a Lei das Antenas no final de 2021. As novas regras flexibilizam as etapas para a instalação das Estações de Rádio Base (ERBs). Essas torres são responsáveis por transmitir o sinal de telefonia e internet da operadora para o nosso celular.

A legislação passou a permitir que equipamentos possam ser colocados em qualquer local. Isso inclui imóveis irregulares. No entanto, a medida não garante a ampliação do sinal, uma vez que as operadoras de telefonia que são responsáveis por escolher em quais locais querem investir recursos.

De acordo com a Conexis Brasil Digital, o Brasil precisaria ter de cinco a dez vezes mais antenas para se adequar ao novo modelo de redes móveis, responsável pela tecnologia 5G.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos