Mercado abrirá em 5 horas 1 minuto

Duratex reverte prejuízo e lucra R$ 284,7 milhões no 4T19

Jader Lazarini
Duratex reverte prejuízo e lucra R$ 284,7 milhões no 4T19

A Duratex (DTEX3) anunciou, na última quarta-feira (12), que reverteu o prejuízo de R$ 141,9 milhões no período de outubro a dezembro de 2018, e lucrou R$ 284,7 milhões no mesmo intervalo do ano passado.

No entanto, a Duratex apresentou uma queda de 6% do lucro líquido no acumulado anual. Enquanto em 2018 a empresa teve ganhos na ordem de R$ 431,7 milhões, no ano passado, o lucro foi de R$ 405,7 milhões.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado, no quarto trimestre do ano passado, foi de R$ 278,3 milhões, crescimento de 17,5% em comparação com o mesmo período do ano anterior. Na relação anual, o indicador foi de R$ 908,9 milhões em 2019, alta de 7,1%.

Saiba mais: Banco do Brasil registra lucro líquido de R$ 5,6 bilhões no 4T19

A empresa destaca uma maior eficiência operacional "resultando em uma contínua melhora da Margem Ebitda, que atingiu 15,3% no quarto trimestre e 15,5% em 2019.

A alavancagem da empresa, que é medida pela relação entre a dívida líquida e pelo Ebitda, sofreu uma redução de 0,6x, para 1,88x.

A receita líquida consolidada subiu 17,6% na comparação trimestral, atingindo R$ 1,4 bilhão. O montante considera a parcela referente à venda de ativos florestais para a Turvinho Participações e a Bracell SP Celulose.

Todavia, "a desvalorização cambial aliada à piora no cenário competitivo, impactaram os resultados da Duratex Colombia, que no ano teve sua receita líquida retraída em 6,4% sob 2018", informou a administração da empresa em comunicado.

A geração de caixa da companhia foi de R$ 359,8 milhões no último trimestre de 2019, melhora de R$ 211,9 milhões frente ao terceiro trimestre. Além disso, na comparação anual, foram gerados R$ 459,7 milhões, mais que o dobro do gerado um ano antes.

Na última quarta-feira, as ações da Duratex apresentaram alta de 4,38% na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), cotadas a R$ 16,44. Nos últimos 12 meses, os papéis da empresa valorizaram 35,42%.