Durante 2012, preços dos alimentos subiram 12,95%, aponta Ceagesp

SÃO PAULO – Ao longo do ano passado, os preços dos alimentos subiram em média 12,95%. De acordo com o Índice Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), os preços foram influenciados pelos alimentos in natura, que apresentaram altas durante todo o ano, com exceção do 1º bimestre.

De acordo com o economista da Ceagesp, Flávio Godas, "problemas sazonais e climáticos prejudicaram algumas culturas importantes como tomate, batata, cebola, alho e pimentão, interferindo no volume e na qualidade ofertada”. Godas também afirma que com a demanda aquecida pelo aumento da renda da população, houve expansões de preços em praticamente todos os setores. O economista lembrou também que o ano de 2011 fechou com queda de 0,33% nos preços e frente a isso, janeiro de 2012 deu início a preços reduzidos no ano passado.

Preços
É importante destacar que somente o setor de pescados teve recuo nos preços ao longo do ano: de 4,15% - sendo influenciados pela diminuição dos custos da sardinha (-56,23%), cavalinha (-26,6%), pescada maria mole (-24,7%) e pescada branca (-17,7%).

O setor de Frutas encerrou o ano registrando alta de 12,66%. A laranja pera, mesmo com a pressão negativa exercida durante quase todo o ano, terminou 2012 com alta de 16,42% em relação a janeiro. Já as principais altas no comparativo entre janeiro e dezembro de 2012 foram: limão (196,1%), maracujá azedo (85,1%), melancia (71,8%) e mamão formosa (62,1%).

Legumes (18,49%), Verduras (36,94%) e Diversos (63,13%) também registram alta no acumulado de 2012. Pimentão verde (47%), tomate (18,5%), alface crespa (59,4%), couve-flor (44,89%), brócolis (36,54%), batata comum (80,6%), batata lisa (35,9%) e cebola (52,6%) foram as principais altas destes setores em 2012 no comparativo entre os meses de janeiro e dezembro.

Projeções
Por conta do verão – época de chuvas quase diárias e altas temperaturas, a previsão é de preços elevados durante praticamente todo o 1º trimestre, principalmente, nos setores de legumes e verduras. Para Godas, além da diminuição do volume ofertado, a qualidade dos produtos destes setores fica bastante prejudicada nesta época do ano, contribuindo para a expansão dos preços. 

O setor de frutas deve apresentar ligeira retração em janeiro, impulsionado pelos excedentes de produção do mês de dezembro e pela diminuição do consumo – reflexo das férias. No âmbito geral, os maiores preços registrados em 2012 devem estimular produtores rurais a investirem na produção neste ano de 2013. Sendo assim, "estima-se que os preços não deverão sofrer alterações bruscas durante o ano, exceto pelas condições climáticas negativas já destacadas”, informou a Ceagesp.

Carregando...