Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.421,34
    +943,38 (+2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Duilio diz que Corinthians está próximo de acordo com a Caixa por dívida da Neo Química Arena

·4 minuto de leitura


O Corinthians pode estar próximo de desatar um dos nós mais incômodos de sua história recente: a dívida com a Caixa por conta da construção da Neo Química Arena. Isso porque o presidente Duilio Monteiro Alves revelou que em breve deve anunciar acordo com o banco por uma nova forma de pagamento para que o clube passe a receber o dinheiro da bilheteria dos jogos.

TABELA
> Veja classificação e simulador do Brasileirão-2021 clicando aqui

> Conheça o aplicativo de resultados do LANCE!

GALERIA
> Jemerson e Otero dão adeus! Veja quem já deixou o Corinthians em 2021

A Caixa emprestou R$ 400 milhões ao Corinthians para a construção de sua arena, no bairro de Itaquera , por conta de juros e correções monetárias, a dívida cresceu, até ser executada pelo banco no valor de R$ 539 milhões, em 2019, pois o clube atrasou pagamentos das parcelas do acordo anterior. Esse valor, também devido aos juros, subiu para R$ 650 milhões. Após inúmeras suspensões e negociações entre as partes, o banco aceitou diminuir o valor.

- O Corinthians tem hoje uma divida apenas com a Caixa, há algum tempo desde o mandato do presidente Andrés Sanchez, no fim do ano passado com o acordo com a Caixa sendo colocado no papel na parte de contrato. Não é um negócio simples, envolve muito dinheiro, um fundo, que é quem cuida da Arena, que seria o dono da Arena, que tem hoje Corinthians e Caixa, a Odebrecht deixa esse fundo agora - explicou o mandatário em entrevista para a Rádio Capital, no último sábado.

Segundo o GE, o acordo anterior previa que o Alvinegro pagasse toda a dívida até 2028, mas com o dinheiro do naming rights, que será pago em 20 anos, a negociação ganhou novo rumo e o prazo fechado com o banco estatal seguirá o tempo de contrato com a Hypera Pharma, que termina em 2040, quando depositará a última parcela dos R$ 300 milhões pela exploração do estádio.

Esse novo acordo também dará dois anos de carência ao Corinthians, ou seja, só começará a quitar o restante da dívida em 2022, com prestações anuais e não mais mensais como era anteriormente. Atualmente o débito está em R$ 569 milhões, que serão abatidos ao longo do tempo pelos R$ 300 milhões da Hypera Pharma, restando R$ 269 milhões para serem diluídos em 17 anos.

Com o acordo assinado, o Timão pode voltar a receber valores referentes às bilheterias dos jogos, algo que não acontece desde 2014, quando passou a jogar na Arena. De lá para cá, todo o dinheiro arrecadado foi para o fundo que administra o estádio. Segundo Duilio, isso está perto de mudar, já que revelou que se reuniu com o presidente da Caixa, recentemente, para discutir o acordo.

- Na semana passada estive em Brasília, na presidência da Caixa, numa reunião muito boa e a gente vem finalizando esse acordo. Então o Corinthians, neste momento, tendo a volta do público, teria a receita da Arena pelo menos até o fim do ano que vem. Isso vai nos ajudar bastante, lógico que a volta do público com responsabilidade, pensando sempre na saúde em primeiro lugar, mas a gente espera que a pandemia passe rápido e a gente possa ter essa receita e possa melhorar ainda mais o nosso planejamento, a nossa parte de contas e colocar o clube em ordem.

Ainda segundo Duilio Monteiro Alves, o anúncio desse acordo não deve tardar. Para ele, uma definição deve acontecer ainda neste mês de agosto, no máximo em setembro, para que o quanto antes o clube possa receber a arrecadação da Arena em dias de jogos e, assim, possa prosseguir na reestruturação financeira iniciada em janeira deste ano quando assumiu a presidência alvinegra.

- Eu imagino que em agosto ou em mais um mês a gente tenha esse acordo finalizado com a Caixa, que a gente possa anunciar as bases que ele foi feito. Mas vai nos ajudar bastante, é uma receita que o Corinthians não tem há sete anos. Nos últimos ano todos os clubes do Brasil ficaram sem essa receita, e a gente viu grandes déficits no fechamento das contas, com valores negativos acima de R$ 100 milhões. Se você colocar isso na balança, o Corinthians vem há anos sem esse dinheiro, sem essa receita, foi um dos motivos pelos quais a dívida cresceu. Muito se falou que o estádio era de graça, que não teria que pagar, pelo contrário, o Corinthians vem pagando, por isso teve esse acréscimo grave de dívida no últimos anos, e ficou claro com a pandemia - concluiu.

Além desse valor em relação ao estádio, o Corinthians tem uma enorme dívida do clube que chega perto da casa de R$ 1 bilhão. O dinheiro de bilheteria certamente aliviaria as finanças corintianas, principalmente nos débitos de curto prazo, que precisam ser pagos em até um ano. Até aqui, Duilio conseguiu enxugar cerca de R$ 3,3 milhões em salários, mesmo com as contratações.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos