Mercado abrirá em 4 h 5 min
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,39
    +3,24 (+4,75%)
     
  • OURO

    1.797,30
    +9,20 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    57.558,95
    +2.970,05 (+5,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.438,58
    -16,83 (-1,16%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    23.865,91
    -214,61 (-0,89%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.206,00
    +155,00 (+0,97%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2938
    -0,0547 (-0,86%)
     

Duas supernovas explodiram ao mesmo tempo e no mesmo lugar desta galáxia

·2 min de leitura

Quando estrelas massivas chegam ao fim de suas vidas e ficam sem combustível, elas explodem em supernovas, fenômenos violentos e tão poderosos que podem até ofuscar o brilho da galáxia em que estão. Observar uma supernova ocorrendo é algo raro por si só, mas um evento ainda mais raro e curioso ocorreu na galáxia NGC 6984, observada recentemente pelo telescópio espacial Hubble. É que duas supernovas ocorreram por lá, sendo que as explosões foram descobertas virtualmente no mesmo lugar e ao mesmo tempo.

A galáxia NGC 6984 é do tipo espiral e fica na constelação Indus, o Índio, a aproximadamente 200 milhões de anos-luz da Terra. Uma nova imagem dela foi publicada no dia 1º de novembro pela Agência Espacial Europeia (ESA), parceira da NASA na operação do Hubble, e mostra um belo registro da galáxia, com seus braços espirais acompanhados por caminhos delicados de gás e poeira, estrelas brilhantes e regiões de formação estelar. Não há informações sobre quando os dados foram obtidos pelo telescópio, mas essas observações foram feitas após a descoberta da supernova dupla por lá.

(Imagem: Reprodução/ESA/Hubble & NASA, D. Milisavljevic)
(Imagem: Reprodução/ESA/Hubble & NASA, D. Milisavljevic)

A observação das duas supernovas com as coincidências de tempo e lugar intrigou astrônomos. Segundo os oficiais da ESA, eles especulam que ambas tenham algum tipo de relação física entre si. Por isso, eles estão trabalhando com dados de luz ultravioleta e visível obtidos pela câmera Wide Field Camera 3 do telescópio Hubble, que poderá ajudá-los a entender melhor a região em que elas ocorreram e, quem sabe, descobrir se realmente há alguma relação física entre as duas.

Além de fornecer novas pistas para resolver este mistério astronômico, os dados das novas observações são um complemento àqueles da galáxia, que foram obtidos pelo Hubble em 2013 e, assim, permitiram a produção da imagem que você viu acima. A má notícia é que os astrônomos terão que esperar um pouco para usar o telescópio para investigar outros objetos, pois, no fim de outubro, o Hubble sofreu uma falha de sincronização que resultou em uma suspensão temporária das observações científicas. A equipe do Hubble segue investigando o problema e tentando solucioná-lo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos