Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.345,82
    +1.857,94 (+1,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.376,89
    -141,41 (-0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,50
    -0,79 (-0,72%)
     
  • OURO

    1.848,90
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    29.227,41
    -934,97 (-3,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    655,03
    -19,85 (-2,94%)
     
  • S&P500

    3.973,75
    +72,39 (+1,86%)
     
  • DOW JONES

    31.880,24
    +618,34 (+1,98%)
     
  • FTSE

    7.513,44
    +123,46 (+1,67%)
     
  • HANG SENG

    20.471,89
    +1,83 (+0,01%)
     
  • NIKKEI

    26.933,33
    -68,19 (-0,25%)
     
  • NASDAQ

    11.880,25
    -155,00 (-1,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1269
    -0,0208 (-0,40%)
     

Duas explosões solares podem "tocar" nossa atmosfera neste fim de semana

·2 min de leitura

Duas explosões solares devem causar uma tempestade geomagnética na Terra neste fim de semana. Embora as ejeções de massa coronal não estejam vindo diretamente em nossa direção, elas podem nos atingir “de relance”, potencialmente causando breves interrupções em transmissões de rádio e, claro, gerando as belas auroras polares.

O Sol acaba de passar por um momento de turbulência, na qual uma mancha solar catalogada como AR2929 emitiu duas erupções, acompanhadas por ejeções de massa coronal, no dia 18. Uma segunda mancha entrou em erupção mais forte no dia 20. Ambas foram considerados erupções de nível médio.

As erupções são como explosões que acontecem na superfície do Sol devido a mudanças repentinas no campo magnético do Sol. Elas resultam em altos níveis de radiação na forma de plasma, e estão geralmente associadas às ejeções de massa coronal — que podem ter até bilhões de toneladas de plasma da coroa solar.

SOL 20 1 2022
SOL 20 1 2022

Essas ejeções viajam para fora do Sol, rumo ao espaço interplanetário do Sistema Solar, às vezes diretamente em direção à Terra. Dessa vez, elas não foram direcionadas para nosso planeta, mas ainda podem causar algumas perturbações nas transmissões de rádio em regiões como a América do Sul e o Oceano Índico.

Nos próximos anos, esses eventos podem se tornar mais comuns, já que o Sol entrará no período de máximo solar em meados da década. Isso significa que por volta de julho de 2025 as erupções podem acontecer com maior frequência.

As ejeções de massa coronal devem se aproximar da Terra em algum momento nos próximos dias, sem representar nenhum perigo. Os que estiverem nas regiões polares, onde se pode observar as auroras, talvez tenham mais uma oportunidade de apreciar o espetáculo neste fim de semana.

Observatório da NASA flagra as explosões solares

Existem vários observatórios monitorando o comportamento do Sol, e um deles é o Solar Dynamics Observatory da NASA, que capturou imagens das duas erupções solares dessa semana. Um dos papéis da agência espacial é colaborar com o Centro de Previsão do Clima Espacial da NOAA, que faz previsões do clima espacial.

A imagem acima é um close da segunda explosão, que ocorreu dia 20. De acordo com a NASA, essa erupção é classificada como de classe M5.5, o que significa que é de média intensidade, suficientemente forte para afeta as regiões dos polos magnéticos da Terra e gerar rápidos bloqueios nas emissões radiofônicas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos