Mercado abrirá em 3 h 15 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,61
    +0,74 (+0,94%)
     
  • OURO

    1.940,80
    -4,50 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    23.006,38
    +78,98 (+0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.788,59
    +16,89 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.134,00
    -18,00 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5272
    +0,0116 (+0,21%)
     

Duas estrelas em colisão produzem moléculas orgânicas, essenciais à vida

Duas proto-estrelas “gêmeas” estão produzindo moléculas orgânicas enquanto orbitam um centro de gravidade em comum. O processo pode, futuramente, formar blocos de construção da vida.

Os astrônomos encontraram o sistema estelar binário nos primeiros estágios de formação, envolto a um disco de gás e poeira. A imagem foi obtida em sinais de rádio com o observatório Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) no Chile.

Próximos às estrelas bebês, chamadas IRAS 16293-2422 A, existem três aglomerados de poeira aquecida pela dinâmica das órbitas do sistema. Em um estudo recente, María José Maureira e seus colegas mostram que estas regiões são aquecidas pelas protoestrelas e por ondas de choque.

As tais ondas de choque são semelhantes àquelas produzidas por um avião em velocidade supersônica e ajudam a enriquecer o gás do disco com moléculas mais complexas. Isso ocorre devido à colisão das estrelas com a poeira circuncidante.

Separadas por apenas 54 unidades astronômicas (pouco mais que a distância entre o Sol e Plutão), as estrelas exercem grande influência gravitacional uma à outra. As simulações sugerem que essa interação orbital pode produzir ondas de choque poderosas e rápidas no disco de gás e poeira no qual elas “nadam”.

As duas estrelas estão marcadas pelo símbolo estelar, enquanto os três pontos de calor no disco de gás e poeira são marcados pelo sinal + (Imagem: Reprodução/ALMA/ESO/NAOJ/NRAO/Maureira et al.)
As duas estrelas estão marcadas pelo símbolo estelar, enquanto os três pontos de calor no disco de gás e poeira são marcados pelo sinal + (Imagem: Reprodução/ALMA/ESO/NAOJ/NRAO/Maureira et al.)

Além disso, o sistema IRAS 16293-2422 A ainda está se alimentado do material do disco, arremessando também parte do gás e poeira para longe, formando ainda mais ondas de choque no disco.

Quanto mais as ondas de choque passam pela nuvem do disco, mais o gás se comprime e se aquece. O resultado é a criação das condições necessárias para a formação de moléculas orgânicas, como o ácido isociânico — a combinação mais simples possível de hidrogênio, nitrogênio, carbono e oxigênio.

Isso significa que o sistema binário, antes mesmo de formar planetas ao redor das estrelas, já está “semeando” seu ambiente com moléculas fundamentais para a vida. Além disso, os pesquisadores disseram que as altas temperaturas nas ondas de choque "podem alterar como as partículas de poeira se unem, alterando o quão cedo pode ocorrer a formação de núcleos planetários".

O estudo foi publicado no Astrophysical Journal Letters.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: