Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.198,73
    +475,93 (+1,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Drones com inteligência artificial estão aprendendo a procurar meteoritos caídos na Terra

·2 minuto de leitura
Drones com inteligência artificial estão aprendendo a procurar meteoritos caídos na Terra
Drones com inteligência artificial estão aprendendo a procurar meteoritos caídos na Terra

Cientistas estão testando drones com capacidade de inteligência artificial (IA), para que os dispositivos voadores consigam encontrar meteoritos caídos na Terra, mas que, por qualquer razão, tenham passado despercebidos pelos nossos sistemas de detecção.

A ideia é projetar uma “grade virtual” – não muito diferente das linhas quadriculadas que você vê em algumas câmeras de smartphones -, estabelecendo uma área inteligente de busca para que os drones tirem fotos. Depois, por meio de machine learning – um dos principais conceitos da inteligência artificial -, um algoritmo identifica locais onde meteoritos podem ter caído.

Leia também

Imagem feita por drone com inteligência artificial mostra dois meteoritos localizados em pontos marcados por bandeiras laranjas em um campo de neve
Imagem feita por drone aponta a localização de dois meteoritos – as bandeiras laranjas. Sistema usa IA para maior precisão analítica. Imagem: Robert Citron et al

“Essas imagens podem ser analisadas por meio de um classificador baseado em machine learning, a fim de identificar meteoritos em campos, inseridos no meio de outros itens”, disse Robert Citron, da Universidade da Califórnia, em um paper recentemente publicado pela revista Meteoritics & Planetary Science.

Citron e sua equipe vêm testando essa premissa desde 2019, com a maior parte das avaliações do sistema conceitual sendo aplicadas em Walker Lake, no estado norte-americano de Nevada. Lá, naquele ano, houve a queda de um meteorito de menor porte, o que vem ajudando os cientistas a refinar a técnica de busca.

Em tese, o sistema criado por Citron e seus colegas permite que o algoritmo faça a separação de rochas comuns para meteoritos, embora o entendimento dele seja simplista: basicamente, ele entende como “possível meteorito” literalmente qualquer coisa que não seja uma rocha devidamente catalogada como “da Terra”.

Evidentemente, isso gerou um número considerável de falsos positivos, já que muitas pedras de dentro da Terra ainda não foram devidamente classificadas. Entretanto, nos eventuais encontros com meteoritos, não houve erro.

Partindo da premissa de que o sistema todo ainda está em uma fase conceitual, Citron e o resto da equipe estão cada vez mais otimistas, planejando levar os drones com inteligência artificial para identificar meteoritos em locais remotos e de difícil acesso.

“Considerando que um meteorito no futuro possa cair em qualquer terreno”, disse o especialista em um e-mail enviado ao Phys.org, “o nosso sistema precisa de um algoritmo de detecção mais objetivo, treinado com exemplos de vários tipos de meteoritos, em vários tipos de região. A fim de criar uma rede de detecção apropriadamente treinada, milhares de imagens de exemplos serão necessárias”.

Cientistas planetários estimam que, anualmente, cerca de 500 meteoritos atingem o solo da Terra após sobreviverem à queima de detritos na nossa atmosfera. Entretanto, a maioria deles são bem pequenos e menos de 2% conseguem ser recuperados e estudados. Há ainda rochas que caem no oceano, completamente inacessíveis.

Diante disso, um sistema desse tipo pode muito bem ajudar os especialistas a ampliarem nossos conhecimentos sobre esses artefatos espaciais.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos