Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.285,59
    +1.673,56 (+1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.344,11
    +433,58 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,40
    +0,01 (+0,01%)
     
  • OURO

    1.808,10
    +8,40 (+0,47%)
     
  • BTC-USD

    40.015,37
    +980,28 (+2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    938,33
    +8,40 (+0,90%)
     
  • S&P500

    4.400,64
    -0,82 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    34.930,93
    -127,59 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.016,63
    +20,55 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    14.977,25
    -34,25 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0666
    +0,0081 (+0,13%)
     

Droga Raia é notificada por coletar dados biométricos de clientes

·2 minuto de leitura

O Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) notificou a Raia Drogasil, empresa dona da marca Droga Raia, em busca de esclarecimentos sobre a coleta de dados pessoais e biométricos dos clientes para acesso a descontos em medicamentos. O pedido, em caráter extrajudicial, é para que a rede de farmácias interrompa os cadastros e explique ao órgão qual a finalidade dos dados que estão sendo coletados no ato da compra.

As informações apontam que, nas últimas semanas, a Droga Raia vem solicitando dos clientes o registro de CPF e impressão digital para acesso a programas de redução no preço de remédios. Enquanto o primeiro pedido é uma prática relativamente comum — e que também já foi alvo de investigação pelo Ministério Público —, o segundo chamou a atenção e motivou relatos que, agora, levam à notificação.

De acordo com as denúncias, publicadas pelo Tecnoblog, os clientes estariam sendo impedidos de obterem os descontos caso não efetivassem o cadastro biométrico, um dado considerado sensível pela LGPD, a Lei Geral de Proteção de Dados. Na visão do Idec, não existe finalidade para a inclusão desse tipo de informação nos registros da drogaria, enquanto as normas federais exigem que esse tipo de ação seja fundamentada em objetivos claros.

O instituto também avalia se há inflacionamento de preços, como forma de incentivar os cidadãos a realizarem o cadastro. A visão do órgão é que a necessidade de cadastro biométrico prejudica o consumidor, que se vê obrigado a pagar valores elevados caso não concorde com a entrega dos dados ou, então, se veja sem opção a não ser aceitar, abrindo mão da própria privacidade para pagar mais barato.

No total, são 12 perguntas enviadas pelo Idec ao grupo Raia Drogasil, que tem 10 dias para responder. A empresa confirmou, em pronunciamento, o recebimento do pedido e disse que prestará todas as informações. Além disso, afirmou estar de acordo com os princípios legais estipulados pela LGPD e que preza a privacidade de seus clientes.

Em comunicados anteriores enviados ao Tecnoblog, a companhia já havia afirmado que os dados biométricos e o CPF dos clientes eram solicitados apenas quando necessário, com todas as informações sendo criptografadas e jamais compartilhadas com terceiros. Segundo a Raia Drogasil, os cadastros são utilizados exclusivamente para confirmação da identidade dos clientes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos