Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    47.642,91
    -3.194,52 (-6,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Drama de recessão "Nomadland" ganha prêmio de melhor filme no Bafta

Marie-Louise Gumuchian
·1 minuto de leitura

Por Marie-Louise Gumuchian

LONDRES (Reuters) - O drama da recessão nos Estados Unidos "Nomadland", sobre uma comunidade de moradores de vans, foi o grande vencedor do Bafta do Reino Unido no domingo, levando os prêmios de melhor filme, direção --para Chloé Zhao, nascida na China--, e atriz, para Frances McDormand.

A cerimônia da Academia Britânica de Artes do Cinema e da Televisão (Bafta) aconteceu ao longo de duas noites, com os indicados se reunindo por vídeo, devido à pandemia de Covid-19.

No entanto, as estrelas Hugh Grant e Priyanka Chopra Jonas apareceram pessoalmente no Royal Albert Hall de Londres, enquanto Renee Zellweger e Anna Kendrick apresentaram prêmios diretamente de um estúdio em Los Angeles.

"Nomadland", que já ganhou prêmios nesta temporada de premiações, é estrelado por McDormand, de 63 anos, que vive uma viúva que, na esteira da recessão econômica dos Estados Unidos, transforma sua van em uma casa móvel e sai pela estrada, ocupando empregos sazonais ao longo do caminho.

"Gostaríamos de dedicar este prêmio à comunidade nômade que tão generosamente nos recebeu em suas vidas", disse Zhao, que venceu a categoria de direção, em seu discurso de aceitação.

"Obrigado por nos mostrar que envelhecer é uma bela parte da vida, uma jornada que todos devemos valorizar e celebrar. A forma como tratamos nossos idosos diz muito sobre quem somos como sociedade e precisamos fazer melhor."

O melhor filme britânico foi para "Bela Vingança", com uma história relacionada ao movimento #MeToo, que também ganhou roteiro original.

A academia também prestou homenagem ao príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth, que morreu na sexta-feira, aos 99 anos. Philip foi nomeado o primeiro presidente da academia em 1959. Seu neto, o príncipe William, é o atual presidente da Bafta.

(Reportagem de Marie-Louise Gumuchian)