Mercado fechará em 6 h 50 min
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,61 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,44 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,35
    +0,32 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.916,90
    -12,60 (-0,65%)
     
  • BTC-USD

    12.943,55
    +1.886,54 (+17,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,92
    +16,03 (+6,55%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,97 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.788,01
    +11,51 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.685,00
    -6,25 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6365
    -0,0135 (-0,20%)
     

Dragonfly: missão da NASA que estudará lua Titã, de Saturno, é adiada para 2027

Danielle Cassita
·2 minutos de leitura

No ano passado, a NASA decidiu lançar o helicóptero Dragonfly rumo à lua Titã, de Saturno, em 2026, para continuar a busca pelos blocos fundamentais da vida. Entretanto, devido a pressões no orçamento causadas pela pandemia do novo coronavírus, a NASA solicitou um adiamento para a missão. Agora, a Dragonfly será lançada apenas em 2027.

A missão foi selecionada em 2019 e chegaria a Titã em 2034; com o adiamento, a chegada deverá acontecer apenas em 2036. Mesmo assim, de acordo com o comunicado publicado pela agência espacial, a nova data não irá causar impactos na arquitetura da missão ou no retorno científico proporcionado. Acontece que Titã tem grande valor científico por ser a única lua no Sistema Solar que tem uma atmosfera que chega a ser quatro vezes mais densa do que a da Terra. Ainda, é rica em nitrogênio e contém nuvens de metano, que podem produzir precipitações em forma de chuva e até de neve.

Além disso, existem moléculas na atmosfera de Titã que levaram os pesquisadores a pensar que essa lua pode ter sido parecida com a Terra em um passado bilhões de anos distante: “a Dragonfly vai aumentar de forma significativa nosso entendimento deste mundo cheio de riquezas orgânicas, e ajudará a responder perguntas essenciais da astrobiologia na busca para entender os processos que deram apoio ao desenvolvimento de vida na Terra”, diz Lori Glaze, diretora do Planetary Science Division da NASA.

A Dragonfly representa também a primeira vez que a NASA envia um veículo com múltiplos rotores para estudar outro mundo. Assim, a missão foi criada para investigar esta lua e, quem sabe, trazer alguma luz para a origem da vida na Terra. A missão irá pousar na região Shangri-La, uma grande área de dunas em Titã. Com as lâminas de seu rotor, a Dragonfly vai voar por dezenas localizações durante 2,7 anos, se deslocando por uma distância de 175km — quase o dobro da distância viajada por todos os rovers de Marte juntos.

Este é mais um dos projetos da agência espacial que sofre alguma mudança no cronograma devido à pandemia: recentemente, a NASA comunicou que as missões de astrofísica serão afetadas e possivelmente terão atrasos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: