Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,34
    -0,29 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.786,70
    +2,40 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    56.938,19
    +2.871,70 (+5,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.457,26
    +51,96 (+3,70%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    -139,16 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.812,63
    -241,37 (-0,83%)
     
  • NASDAQ

    13.489,50
    -1,50 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4268
    -0,1125 (-1,72%)
     

Dr. Jairinho é afastado da presidência da Comissão de Justiça e Redação da Câmara de Vereadores do Rio

Luiz Ernesto Magalhães
·1 minuto de leitura

RIO — O presidente da Câmara de Vereadores do Rio, Carlo Caiado (DEM), afastou, nesta segunda-feira, Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido), da presidência da Comissão de Justiça e Redação. A comissão é a mais importante da Casa. Caiado tomou a decisão depois que o Solidariedade formalizou, na sexta-feira, a expulsão do vereador, suspeito de matar o enteado Henry Borel, de 4 anos. Com a exclusão de Jairinho da comissão, deve ser realizada uma reunião esta semana para definir o substituto. Jairinho já havia sido excluído do Conselho de Ética.

Jairinho foi preso no último dia 8 graças a um mandado de prisão temporária, com duração de 30 dias, por atrapalhar as investigações sobre a morte de Henry, seu enteado. A mãe da criança, a professora Monique Medeiros, também foi detida. A remuneração de Jairinho foi imediatamente suspensa após a prisão.

Henry passou o dia 7 de março com o pai, Leniel Borel, que o levou ao condomínio Majestic, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, onde moravam Jairinho e Monique. Na mesma madrugada, o casal levou a criança ao Hospital Barra D'Or, onde ele chegou morto. O vereador e a professora alegaram que Henry havia sofrido uma queda.

O laudo da perícia do Instituto Médico Legal (IML), no entanto, constatou que o menino sofrera "hemorragia interna" e "laceração hepática", resultados de uma "ação contundente". O garoto tinha outras lesões e hematomas espalhados pelo corpo.