Mercado abrirá em 2 h 16 min
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,32
    +0,56 (+0,67%)
     
  • OURO

    1.799,70
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    62.771,54
    +1.781,78 (+2,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.232,69
    +28,14 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    26.132,03
    +5,10 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.372,50
    +31,50 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5781
    -0,0027 (-0,04%)
     

Doses de reforço levam não vacinados a acreditar cada vez menos nas vacinas

·2 minuto de leitura

No contexto atual da vacinação nos países, muito se tem buscado a respeito das doses de reforço, o que vem acendendo ainda mais a esperança de muitos no combate à covid-19. No entanto, para aqueles que não almejam tomar a vacina, a terceira dose (ou segunda, no caso de imunizantes de dose única como a da Janssen) é responsável por deixar com um pé atrás.

Acontece que, em setembro, uma pesquisa realizada pela Kaiser Family Foundation apontou que 71% dos entrevistados não vacinados disseram que a necessidade de reforços indicava que as vacinas não estavam funcionando. De acordo com o estudo, a quantidade de pessoas que se recusam definitivamente a tomar a vacina tem se mantido entre 15 e 12% dos entrevistados.

Por outro lado, a quantidade de pessoas indecisas em relação à vacina diminuiu drasticamente: em dezembro, representavam 39% dos entrevistados. Nesta última pesquisa, representaram apenas 7%. Vale dirigir a atenção a outro grupo também, que representa 4% dos participantes da pesquisa: os que só seriam vacinados se seu local de trabalho ou escola exigir.

(Imagem: e_mikh/envato)
(Imagem: e_mikh/envato)

Enquanto os médicos tentam encorajar as pessoas vacinadas a buscarem a dose de reforço, lutam para defender essa necessidade da terceira dose para aqueles que ainda não receberam a primeira, tendo que conduzir dois tipos diferentes de campanha.

Alguns profissionais de saúde dos EUA estão trabalhando com vacinas ao alcance, para o caso de uma pessoa antivacina decidir que quer tomar a dose. A ideia é que, se a pessoa não tomar o imunizante na clínica naquele exato momento, pode esquecer ou mudar de ideia no futuro. Mas, a esta altura, muitos médicos declaram cansaço de tanto esforço para convencer essas pessoas, considerando que é algo que traz pouco retorno, uma vez que até mesmo pacientes com grandes fatores de risco se recusam a tomar a vacina.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos