Mercado abrirá em 4 h 44 min
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,32 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,49
    +0,35 (+0,41%)
     
  • OURO

    1.836,90
    +5,10 (+0,28%)
     
  • BTC-USD

    35.186,70
    -272,23 (-0,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    811,51
    +568,83 (+234,40%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,03 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.659,80
    -305,75 (-1,22%)
     
  • NIKKEI

    27.588,37
    +66,11 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    14.513,25
    +86,75 (+0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1724
    -0,0176 (-0,28%)
     

Dose de reforço da AstraZeneca aumenta anticorpos contra ômicron

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Uma terceira dose da vacina da AstraZeneca contra Covid-19 aumentou significativamente os anticorpos neutralizantes contra a ômicron, de acordo com estudos de laboratório da Universidade de Oxford.

Most Read from Bloomberg

A vacina, criada pela Astra e Oxford, viu os anticorpos aumentarem para níveis semelhantes aos de duas doses contra a variante delta com uma dose de reforço, disse a empresa farmacêutica na quinta-feira. Uma terceira dose também produziu níveis mais elevados de anticorpos neutralizantes do que aqueles encontrados em indivíduos que se recuperaram naturalmente das cepas alfa, beta e delta.

Os resultados são em grande parte boas notícias para a vacina, que foi deixada de lado no Ocidente como reforço depois que as vacinas de RNA mensageiro se mostraram mais eficazes em vários ensaios. O estudo avaliou 41 pessoas que receberam uma terceira dose.

A rápida disseminação da ômicron e sua capacidade de inicialmente reduzir a proteção de anticorpos em muitas vacinas levaram países a acelerar campanhas de reforço. O Reino Unido sozinho relatou mais de 100.000 novos casos na quarta-feira pela primeira vez, aumentando a pressão sobre o primeiro-ministro Boris Johnson, que resistiu em impor novas restrições antes do Natal.

No entanto, estudos da África do Sul, Escócia e Inglaterra mostraram que a variante ômicron parece menos provável de levar os pacientes ao hospital do que o delta. As descobertas aumentam as esperanças de que haverá menos casos de doenças graves, embora a maior infecciosidade da ômicron signifique que ela ainda pode afetar gravemente os serviços de saúde, aumentando a necessidade de doses de reforço.

“É muito encorajador ver que as vacinas atuais têm o potencial de proteger contra a ômicron após uma terceira dose de reforço”, disse John Bell, professor de medicina da Oxford e um dos pesquisadores do estudo. “Esses resultados apóiam o uso de reforços de terceira dose como parte das estratégias nacionais de vacinas, especialmente para limitar a disseminação de variantes preocupantes, incluindo a ômicron.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos