Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.235,76
    +1.584,71 (+1,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.808,21
    +566,40 (+1,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,49
    +0,99 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.807,30
    -5,00 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    23.702,73
    +582,96 (+2,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    558,58
    +27,36 (+5,15%)
     
  • S&P500

    4.210,24
    +87,77 (+2,13%)
     
  • DOW JONES

    33.309,51
    +535,10 (+1,63%)
     
  • FTSE

    7.507,11
    +18,96 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    19.610,84
    -392,60 (-1,96%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.383,50
    +352,00 (+2,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2351
    +0,0024 (+0,05%)
     

Dose de Pfizer e J&J contra Covid será avaliada em HIV positivos

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Um teste com vacinas contra a Covid-19 na África do Sul avaliará a segurança e o impacto de doses da Johnson & Johnson e Pfizer como reforço para os infectados com HIV, bem como para a população em geral.

Most Read from Bloomberg

O estudo que está sendo realizado pelo Wits Reproductive Health and HIV Institute, com sede em Joanesburgo, recrutará cerca de 300 profissionais de saúde, dos quais cerca de um terço será HIV positivo, disse Lee Fairlie, chefe de saúde infantil e materna do instituto.

Com cerca de 8,2 milhões de pessoas na África do Sul, ou 13% da população, infectadas com HIV, a eficácia ou imunogenicidade das vacinas contra Covid-19 na geração de uma resposta do sistema imunológico em indivíduos imunocomprometidos tem sido uma preocupação fundamental. O HIV causa a AIDS, que enfraquece o sistema imunológico.

“Há uma série de preocupações sobre a imunogenicidade em pessoas com HIV, particularmente pessoas com HIV menos controlado”, disse Fairlie. “Essa é realmente uma área de importância na África do Sul. Nós realmente precisamos saber: estamos fazendo o suficiente pelas pessoas com HIV?”

Os participantes receberão aleatoriamente uma dose completa ou meia dose da vacina produzida pela J&J ou Pfizer, e da BioNTech.

O recrutamento começou e continuará por cerca de quatro meses em Joanesburgo, Durban e Cidade do Cabo, com a expectativa de que os resultados finais fiquem prontos seis meses depois. Os primeiros resultados serão obtidos a partir de check-ups realizados após duas semanas e três meses, disse Fairlie.

Avaliar a eficácia das vacinas na prevenção da Covid-19 não é o foco principal do estudo, disse Fairlie.

“Estamos analisando a imunogenicidade e a segurança”, disse ele.

O estudo vem depois que pesquisadores começaram a recrutar profissionais de saúde sul-africanos para participar de um teste comparando o uso de vacinas da J&J e da Pfizer como doses de reforço, o que ocorreu no início deste mês. Os profissionais de saúde que foram foco do estudo faziam parte de um teste inicial, conhecido como Sisonke, no qual quase meio milhão de pessoas receberam uma dose inicial da vacina da J&J.

Um teste sobre reforço usando uma segunda dose de J&J já foi executado em alguns participantes do Sisonke. Nas últimas semanas, o governo começou a oferecer reforços da J&J e da Pfizer, com a condição de que recebam a mesma vacina que tomaram inicialmente.

O novo estudo foi nomeado Booster After Sisonke Study, ou BaSiS.

A África do Sul tem sido um local que realiza vários testes com vacinas contra a Covid-19, com estudos usando imunizantes feitos pela J&J, AstraZeneca, Pfizer, Novavax, ImmunityBio e Sinovac Biotech.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos