Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,01
    -0,66 (-1,05%)
     
  • OURO

    1.778,60
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    55.432,64
    +453,66 (+0,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.267,91
    +33,50 (+2,71%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.871,96
    +12,09 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.767,25
    -27,00 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6757
    -0,0268 (-0,40%)
     

Doria deve anunciar lockdown em mais regiões de SP nesta quarta

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
Sao Paulo Governor Joao Doria gives a news conference at a vaccination center set up inside a public school in Serrana, Sao Paulo state, Brazil, Wednesday, Feb. 17, 2021. Brazil's Butantan Institute has started a mass vaccination on Wednesday of the city's entire adult population, about 30,000 people, to test the virus' behavior in response to the vaccine. (AP Photo/Andre Penner)
A afirmação foi feita, na manhã de hoje, pelo governador João Doria (PSDB), durante evento de liberação de mais de 2 milhões de doses da vacina CoronaVac para o Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde. (Foto: AP Photo/Andre Penner)
  • A afirmação foi feita, na manhã de hoje, pelo governador João Doria (PSDB), durante evento

  • Especialistas acreditam em colapso do sistema de Saúde até o fim da semana

  • Coletiva acontece 12h45 (Brasília)

O governo de São Paulo deve anunciar nesta quarta-feira (17) novas medidas restritivas em mais regiões de estado para tentar conter os avanços da Covid-19. O objetivo é reduzir internações e mortes pela doença, que chegaram nesta semana ao maior número desde o início da pandemia.

A afirmação foi feita, na manhã de hoje, pelo governador João Doria (PSDB), durante evento de liberação de mais de 2 milhões de doses da vacina CoronaVac para o Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde.

Leia também:

Segundo a Rádio Bandnews, técnicos do próprio governo de São Paulo e profissionais ligados à saúde acreditam que todo o sistema de atendimento no estado pode entrar em colapso até amanhã.

Ontem (16), o estado de São Paulo ultrapassou as 600 mortes diárias pela Covid-19 batendo um novo recorde. Foram registrados 679 óbitos em decorrência do vírus em apenas 24 horas.

Na última sexta-feira (12), quando o estado registrou até então o pior dia da pandemia, foram 521 mortes. No mês passado, o número ficava abaixo dos 400 óbitos por dia — o que já era considerado descontrolado.

Idosa sendo vacinada
Vacinação em SP é das mais avançadas do país (Alexandre Schneider/Getty Images)

Na capital paulista, segundo o secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, ao menos 15 hospitais particulares solicitaram ao estado o empréstimo de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do SUS (Sistema Único de Saúde) para tratar pacientes de Covid-19.

Em entrevista à CBN, nesta terça-feira (16), o secretário afirmou que estes hospitais da rede privada solicitaram 30 leitos ao estado porque estão sem vagas e há uma fila de pacientes aguardando leitos.

São Paulo vive a fase emergencial desde a última segunda-feira (15) e seguirá assim pelo menos até o próximo dia 30. Cidades como Araraquara, no interior do estado, por exemplo, conseguiram melhorar a situação com um lockdown, ou seja, um confinamento.

Maior colapso sanitário da história

A situação de colapso se repete em praticamente todos os estados do Brasil. De acordo com o Boletim do Observatório Covid-19, divulgado pela FioCruz (Fundação Oswaldo Cruz), o país vive o maior colapso sanitário da história do país.

Entre as 27 unidades da federação, 24 estados e o DF estão com ocupação de leitos de UTI acima dos 80%. Entre esses estados, 15 tem ocupação maior que 90%. Roraima (73%) e Rio de Janeiro (79%) são as únicas duas unidades da federação com índices mais baixos.

Nesta terça, o Brasil também atingiu o maior número de mortes registradas em 24 horas pela Covid-19: 2.841 pessoas.