Mercado fechado

Doria defende chapa Covas-Joice para 2020 e diz que Lula é 'um líder'

O governador adotou uma postura mais moderada ao falar sobre Lula (Foto: AP Photo/Nelson Antoine)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • O governador de São Paulo nega que o partido tem um plano B caso Covas precise se afastar durante o pleito

  • Doria considera que Lula será uma figura central nas eleições municipais

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), defende que Joice Hasselmann (PSL-SP) é uma “brilhante deputada” e quer que ela concorra como vice-prefeita de Bruno Covas (PSDB) nas eleições municipais de 2020. As informações são da Folha de S. Paulo.

Joice Hasselmann vinha indicando sua vontade de concorrer à Prefeitura de São Paulo como candidata da Bolsonaro. No entanto, após entrar em atrito com Carlos Bolsonaro, perdeu o apoio da família do presidente – que além de tudo deixou o PSL para formar o próprio partido.

Leia também

Assim, a deputada perdeu o principal ativo de sua campanha: o apoio do presidente. Se aproximar mais de Doria, de quem já é uma aliada, pode ser uma solução. O governador já se mostrou favorável à aliança: “quanto mais próxima estiver do Bruno, mais felizes ficaremos.”

“Por que não? O Bruno será reeleito. A Joice é uma brilhante deputada, pessoa com boa formação e com quem tenho uma relação de muitos anos”, diz Doria.

Doria avalia que os estilos de Joice e Covas são complementares: enquanto ela é extrovertida e agressiva, Covas é mais introspectivo e evita conflitos públicos. O tucano negou que o PSDB tenha um plano B para o caso de Bruno Covas precisar se afastar do pleito para tratar do câncer no trato digestivo.

“Não quero aqui antecipar o processo, temos tempo, é uma definição para abril do ano que vem. Mas se isso [a chapa Covas-Joice] avançar, terá os bons olhos do governador de São Paulo.”

Doria também mudou de tom no seu discurso sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ao avaliar o que espera da atuação de Lula nas eleições de 2020, ele abandonou o costumeiro antipetismo agressivo e se limitou a um comentário moderado – posição que o PSDB tenta ocupar frente à polarização:

“Haverá impacto. A voz do Lula é uma voz significativa, ele é um líder, está aglutinando os movimentos de esquerda que estavam desaglutinados desde sua prisão. Isso terá um papel expressivo nas eleições municipais.”