Mercado abrirá em 8 h 20 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,39
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.828,40
    -7,70 (-0,42%)
     
  • BTC-USD

    57.496,61
    +2.033,80 (+3,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.552,43
    +1.309,75 (+539,71%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    27.910,60
    -103,21 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    28.024,59
    -584,00 (-2,04%)
     
  • NASDAQ

    13.194,00
    -152,00 (-1,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3360
    -0,0094 (-0,15%)
     

Dor no pescoço não é apenas resultado de má postura, revela estudo

Natalie Rosa
·3 minuto de leitura

Trabalhar na frente do computador por diversas horas por dia pode prejudicar a nossa postura e provocar dores indesejadas. Isso, no entanto, não é novidade, mas uma equipe de pesquisadores descobriu que as dores no pescoço não são causadas apenas por isso. De acordo com os cientistas, existem outros fatores determinantes para esse incômodo, como a idade, índice de massa corporal e o momento do dia.

Xudong Zhang, um dos responsáveis pelo estudo e professor do departamento de engenharia industrial e de sistemas da Universidade do Texas A&M, pontua que a dor no pescoço é uma das causas de deficiência que mais crescem no mundo. "Nosso estudo chegou a uma combinação de fatores pessoais que influenciam fortemente na força e na resistência do pescoço ao longo do tempo", diz. "Desde que esses fatores sejam identificados, eles podem ser modificados para que o pescoço tenha uma saúde melhor e a dor seja evitada ou extinguida", pontua.

Os dados citados por Zhang são do Global Burden of Disease Study, estudo que categorizou a dor no pescoço como a quarta maior causa de deficiência global. A dor está ligada ao estilo de vida, afetando principalmente quem permanece por muito tempo com o pescoço inclinado para frente. Mas para provar que não se trata apenas disso e chegar às conclusões do estudo, Zhang e sua equipe de pesquisadores recrutou 20 mulheres e 20 homens adultos que nunca relataram sofrer de problemas no pescoço. Então, no laboratório, eles precisaram fazer esforços que precisam do controle da cabeça e do pescoço, classificados como de "exaustão contínua".

<em>Imagem: Reprodução/Freepik</em>
Imagem: Reprodução/Freepik

Os voluntários ficavam sentados, usando um grande capacete que ajuda a medir a força no pescoço. Então, foi solicitado que eles mantivessem o pescoço reto ou inclinado para frente ou para trás. Com cada um em sua posição, os pesquisadores aplicaram força na cabeça e no pescoço, indo até a capacidade máxima ou metade dela. Os resultados foram analisados junto com dados de idade, hora do dia e índice de massa corporal.

Resultados

O estudo mostrou que além dos fatores de trabalho e postura, o índice de massa corporal é um fator determinante para a resistência do pescoço, sem diferenças significativas entre homem e mulher. Além disso, a hora do dia é capaz de afetar a capacidade de uma pessoa sustentar o pescoço sem sofrer de fadiga. Zhang explica:

"É intuitivo pensar que, ao longo do dia, o pescoço fica a cada vez mais cansado, já que o usamos mais. Porém, cerca de metade de nossos participantes foram testados de manhã e o restante à tarde. Além disso, alguns dos participantes tinham trabalhos diurnos e alguns trabalhavam no período noturno. Mesmo assim, encontramos que a hora do dia afeta consistentemente a resistência do pescoço", conta o cientista, revelando então que cada caso é diferente e precisa ser avaliado de forma individual.

Com os resultados obtidos no estudo, os cientistas poderão, no futuro, criar um banco de dados de força e resistência do pescoço para construir modelos biomecânicos e musculoesqueléticos mais avançados. "Poderemos avaliar se os pacientes que estão se recuperando de lesões no pescoço estão prontos para voltar ao trabalho, caso força e resistência estejam dentro do normal.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: