Mercado fechará em 1 h 20 min
  • BOVESPA

    119.339,73
    -224,71 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.856,08
    +456,28 (+0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,75
    -0,88 (-1,34%)
     
  • OURO

    1.814,50
    +30,20 (+1,69%)
     
  • BTC-USD

    55.817,46
    -1.588,42 (-2,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.447,41
    -24,00 (-1,63%)
     
  • S&P500

    4.170,27
    +2,68 (+0,06%)
     
  • DOW JONES

    34.343,51
    +113,17 (+0,33%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.481,00
    -10,00 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3636
    -0,0633 (-0,98%)
     

Donos de restaurantes pressionam Doria por reabertura imediata

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com o início da chamada fase de transição, que liberou o funcionamento do comércio em São Paulo no final de semana, a Abrasel (associação de restaurantes) enviou uma carta ao governador João Doria pedindo que seus estabelecimentos também possam reabrir imediatamente. Pela regra atual, a retomada do setor começa a partir de sábado (24). A entidade também critica o horário determinado para o funcionamento, das 11h às 19h. Diz que prejudica a operação de pizzarias que trabalham à noite. Para o presidente da Abrasel-SP, Percival Maricato, o ideal seria abrir das 12h às 15h e das 19h às 22h. A carta também pede liberação para atender até 40% da capacidade total dos estabelecimentos, e não 25%, conforme determinado pelo governo. “A maioria dos restaurantes não vai abrir, porque tem mais prejuízo do que lucro com 25%”, diz Maricato. Maricato diz que o setor estuda ir à Justiça se as solicitações não forem acatadas.