Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.127,54
    +697,75 (+1,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Donos da farmacêutica Purdue oferecem US$ 4,3 bi para encerrar crise dos opiáceos

·2 minuto de leitura
A família Sackler, proprietária da farmacêutica Purdue, acordou pagar 4,28 bilhões de dólares para resolver as ações que a acusam de alimentar a chamada crise dos opiáceos, desatada com a disparada dos casos de overdose nos Estados Unidos

A família Sackler, proprietária da farmacêutica Purdue, acordou pagar 4,28 bilhões de dólares para resolver as ações que a acusam de alimentar a chamada crise dos opiáceos, desatada com a disparada dos casos de overdose nos Estados Unidos.

A proposta, que revê para cima uma anterior feita pela companhia, integra o plano apresentado na noite de segunda-feira para tirar a Purdue da bancarrota, depois que a empresa aceitou, em outubro passado, se declarar culpada pela agressiva promoção de seu analgésico opioide OxyContin.

Segundo os termos do acordo selado naquele momento com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a farmacêutica planeja se dissolver para criar uma nova empresa, que teria como objetivo ajudar a resolver a crise, indenizando os diversos atores impactados, bem como desenvolvendo medicamentos contra a overdose e a dependência.

A Purdue propõe fazer um pagamento inicial de US$ 500 milhões ao sair da bancarrota e somar a esta quantia cerca de US$ 1 bilhão no fim de 2024 da receita gerada com o novo negócio.

O laboratório, sediado em Connecticut, estima, ainda, que os tratamentos que pretende desenvolver e distribuir a preço de custo agregariam um valor de US$ 4 bilhões.

A família Sackler pagaria, por sua vez, 4,275 bilhões de dólares, além de multa de 225 milhões de dólares, já prevista. O montante seria desembolsado ao longo de nove anos.

Originalmente, a companhia tinha oferecido pagar US$ 3 bilhões.

A reestruturação custaria US$ 10 bilhões no total.

O plano de saída da bancarrota, apresentado pela Purdue, prevê, ainda, a criação de novas entidades administradas por fideicomissos para atender aos pedidos de diversos atores implicados: autoridades estaduais e locais, tribos originárias americanas, pessoal de saúde e vítimas.

Promotores de diferentes estados que processaram a família Sackler já expressaram sua "decepção" com o plano.

"Embora contenha melhorias sobre a proposta que a Purdue havia apresentado e que nós tínhamos rejeitado em setembro de 2019, não está à altura do que as famílias e os sobreviventes merecem", escreveram vários deles em um comunicado conjunto.

jum/Dt/oaa/ll/yo/mvv