Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.324,72
    -85,07 (-0,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Dono de jatinho usado por Lula para viajar ao Egito participa da posse do petista

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O empresário José Seripieri Filho, fundador da Qualicorp e dono da QSaúde, foi um dos empresários presentes na posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Amigo pessoal de Lula, Seripieri é dono do jatinho usado pelo petista para viajar ao Egito, para a COP27, e a Portugal em novembro.

Também estiveram presentes o presidente do conselho de administração do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, e os dirigentes de diversas entidades empresariais, como Isaac Sidney Ferreira, da Febraban (Federação Brasileira de Bancos), Robson Braga, da CNI (confederação Nacional da indústria), e Clésio Andrade, da CNT (Confederação Nacional do Transporte).

Trabuco se declarou otimista quanto à nova administração na economia. "Novo governo é renovação e esperança. Este está começando hoje e vamos aguardar as primeiras medidas", afirmou Trabuco.

O representante da Febraban, por sua vez, disse que uma das prioridades da entidade é defender uma reforma tributária que torne o sistema menos dispendioso e complexo.

"Vamos continuar trabalhando para que não haja aumento do custo para o crédito", afirmou.

Ferreira afirmou que as primeiras declarações do ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), sinalizam que o novo governo vai se empenhar em promover o equilíbrio fiscal.

"Não enxergo outra direção que não seja o controle das contas públicas, e ele [Haddad] passa a mensagem de que fará controle dos gastos."

Boa parte do setor empresarial se mostrava resistente ao PT e preferia uma terceira via como alternativa ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e Lula. A reaproximação do partido com os empresários foi intensificada no segundo semestre de 2022.

Ocorreram jantares com empresários que são referências e ajudaram a fortalecer a imagem de Lula no setor produtivo, como Abilio Diniz, presidente do conselho de administração da Península Participações e membro dos conselhos do Grupo Carrefour e do Carrefour Brasil.

Alguns eventos para estreitar relações com o empresariado também foram organizados pelo grupo Esfera, um think tank criado com a proposta de promover o diálogo entre empresas e governos, e que tem entre os sócios BTG, Cosan, MRV Engenharia e Hapvida.

Chegaram a participar antigos aliados do bolsonarismo, como Flavio Rocha, controlador da Riachuelo, e Eugênio Mattar, sócio-fundador da Localiza, irmão do ex-secretário de Desestatização, Salim Mattar. Presenças como essa sinalizaram que a resistência de alguns setores ao PT podia ser vencida.

Atrair nomes de peso da área empresarial para apoiar o governo também fazer parte da estratégia para fortalecer o novo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o chamado Conselhão. Lançado no primeiro governo Lula, o grupo reunia diferentes setores, como empresários e sindicalistas, para discutir e sugerir medidas para o desenvolvimento, e será reconstituído no Lula 3.

A tarefa de formatar esse novo Conselhão foi entregue ao secretário de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, que durante a campanha atuou na articulação para estreitar as relações de Lula com empresários paulistas.

Como parte da proposta de Lula para a economia em seu terceiro mandato é desenvolver políticas públicas para promover a reindustrialização do Brasil, Lula tentou colocar um empresário comando o MDIC (Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior). No entanto, não foi bem-sucedido.

Inicialmente, convidou Josué Gomes, que comanda o grupo têxtil Coteminas e é presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). No entanto, ele declinou, alegando que não tinha como se afastar de sua empresa no momento. Josué é filho de José Alencar, que foi vice de Lula em 2002 e faleceu em 2011.

Lula também ofereceu o posto a Pedro Wongtschowski, presidente do conselho de administração do grupo Ultra, que atua em energia e saúde. O empresário, que apoiou Simone Tebet (MDB-MS) no primeiro turno, também alegou dificuldades para se afastar dos negócios.

A pasta, então, ficou sob o comando do vice-presidente Geraldo Alckmin.