Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.827,94
    +2.449,02 (+2,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.827,37
    +560,17 (+1,33%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,84
    +1,78 (+4,13%)
     
  • OURO

    1.802,70
    -35,10 (-1,91%)
     
  • BTC-USD

    19.206,68
    +754,72 (+4,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,84
    +11,09 (+3,00%)
     
  • S&P500

    3.631,61
    +54,02 (+1,51%)
     
  • DOW JONES

    30.009,78
    +418,51 (+1,41%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.077,50
    +172,25 (+1,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3947
    -0,0456 (-0,71%)
     

Dono de restaurante denuncia cliente que chamou entregador de macaco

·1 minuto de leitura
Sao Paulo, Brazil - sept 19 2020: worker I Food"ron the motorcycle delivers food to customers.
(Foto: Getty Images)

O dono de uma hamburgueria em Goiânia denunciou uma cliente por racismo. A mulher não deixou o entregador entrar no condomínio de luxo onde vive porque o homem era negro. Por meio do aplicativo, ela escreveu que ao restaurante deveria mandar um entregador branco. “Eu não vou permitir esse macaco”, enviou. O caso foi revelado pela TV Anhanguera.

O caso aconteceu no último domingo, 25. O responsável pelo estabelecimento afirmou que iria registrar queixa na Polícia Civil nesta terça-feira, 27.

No relato do dono da hamburgueria, divulgado pelo G1, a equipe entrou em contato com a cliente para pedir informações sobre o endereço, que estava incompleto. Quando o homem pede que a mulher permita a entrada do entregador, ela se recusa.

“Esse preto não vai entrar no meu condomínio”, escreveu. A mulher ainda pediu que o restaurante mandasse um entregador branco. A gerente se recusou a mandar outra pessoa e, em seguida, a mulher chamou o entregador de macaco.

Leia também

A plataforma usada no caso foi o Ifood. A empresa informou que identificou a cliente, que já foi banida do aplicativo, e que está em contato com o entregador para oferecer apoio psicológico. O Ifood disse que repudia qualquer ato de discriminação racial e orientou o restaurante a registrar um boletim de ocorrência.

Éder Leandro Rocha, dono do restaurante, contou que teve até dificuldades de acreditar na situação. “No início, achamos que pudesse ser um trote. Nós ficamos muito sem reação, sem saber como falar para nosso entregador na porta o que tinha acontecido. Mas a gente acabou tendo que contar. Ele ficou o resto da noite triste”, relatou.

Segundo o G1, a cliente acusada de racismo não foi encontrada.