Mercado fechará em 6 h 15 min

Donald Trump sugere que idoso de 75 anos empurrado por policiais era 'antifa'

Martin Gugino cai e imediatamente começa a sangrar após ser empurrado por policiais, em Buffalo. (Foto: Jamie Quinn/Handout via REUTERS)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, insinuou que Martin Gugino, o idoso de 75 anos que bateu a cabeça ao ser empurrado por policiais durante um ato anti racismo no dia 4 de junho, em Buffalo, no estado de Nova York, era um manifestante anti-fascista.

Em tom conspiracionista, Trump acusa Gugino de supostamente tentar interferir com um “scanner” nos equipamentos de comunicação da polícia e ainda faz menção de que a vítima caiu de forma mais forte que foi empurrada, sugerindo uma encenação. As acusações de Trump são baseadas em um vídeo divulgado pela One America News Network, uma emissora de televisão conservadora de direita.

Leia também

“O manifestante empurrado pela polícia em Buffalo pode ser um ‘provocador’ antifa. Martin Gugino, de 75 anos, foi afastado após aparentemente escanear a comunicação da polícia afim de desativar o equipamento. Eu assisti na One America News Network, ele caiu mais forte do que foi empurrado. Estava mirando o scanner. Pode ser uma armação?”, escreveu Trump, no Twitter, na manhã desta terça-feira (9).

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

O vídeo de Gugino gerou revolta nas redes sociais durante a semana de protestos contra o assassinato de George Floyd. Na gravação, divulgada pela emissora de rádio WBFO, policiais aparecem empurrando-o após o homem se dirigir a eles e tentar falar algo. O idoso cai, bate a cabeça na calçada, sangra imediatamente pelo ouvido e permanece imóvel.

Um policial chega a se abaixar para examiná-lo, mas é afastado por um colega. Diversos agentes passam pela cena, mas nenhum presta ajuda.

IDOSO SEGUE INTERNADO E POLICIAIS SÃO AFASTADOS

A advogada de Gugino, Kelly Zarcone, afirmou que o idoso permanecia internado no Hospital Erie County Medical Center em estado "sério, mas estável", segundo nota enviada à WKBW, emissora afiliada à ABC, em Buffalo.

“Martin reconheceu e, sinceramente, aprecia o enorme apoio que recebeu em todo o país. Martin e sua família continuam a pedir privacidade no caso para que possam se concentrar na saúde e recuperação de Martin”, disse Zarcone em comunicado por escrito.

Os dois policiais envolvidos no episódio foram suspensos sem direito a salário. Inicialmente, o departamento de polícia da cidade disse que o idoso havia “tropeçado” durante uma “discussão”. Mais tarde, o chefe de polícia, Jeff Rinaldo, disse que a declaração havia sido dada por dois policiais que não estavam envolvidos no incidente e que foi aberta uma investigação.

Em nota, o governador Andrew Cuomo disse que os agentes foram suspensos. Os 57 integrantes da unidade envolvida no incidente deixaram seus cargos, mas sem pedir demissão da polícia.