Mercado fechará em 3 h 16 min
  • BOVESPA

    111.201,42
    +275,82 (+0,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.298,44
    -159,11 (-0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,49
    +0,27 (+0,33%)
     
  • OURO

    1.796,70
    -18,50 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    16.951,05
    -16,40 (-0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    402,42
    +1,00 (+0,25%)
     
  • S&P500

    4.046,76
    -29,81 (-0,73%)
     
  • DOW JONES

    34.228,74
    -166,27 (-0,48%)
     
  • FTSE

    7.558,11
    -0,38 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.902,25
    -160,50 (-1,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4586
    -0,0068 (-0,12%)
     

Dona do Galeão assina documento para relicitação do aeroporto

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A concessionária RIOgaleão afirmou nesta segunda-feira (14) que assinou "com ressalvas" termo aditivo ao contrato de concessão do aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro.

A assinatura era uma etapa necessária para o avanço da relicitação do terminal e precisava ser feita até esta segunda. Sem ela, o pedido de devolução da concessão, anunciado em fevereiro pela empresa, perderia seus efeitos.

O processo de relicitação foi marcado nos últimos dias por discordâncias entre a RIOgaleão e a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Por não concordar com parte da proposta de aditivo aprovada pela agência, a empresa chegou a acionar a Justiça Federal, mas teve um pedido de liminar negado na sexta (11).

Mesmo com a confirmação da assinatura, a concessionária sinalizou descontentamento com o desfecho das negociações.

"O RIOgaleão esclarece que assinou -com ressalvas- o Termo Aditivo para relicitação do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, nessa segunda-feira (14/11). A decisão foi tomada única e exclusivamente por força do prazo estipulado pelo art. 2º do decreto nº 11.171/2022", disse a companhia.

"As ressalvas foram encaminhadas ao Conselho do Programa de Parceria de Investimentos (CPPI), Ministério de Infraestrutura, Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos, Secretaria Nacional de Aviação Civil (SAC) e Infraero", acrescentou.

Controlada pela Changi, de Singapura, a RIOgaleão associa a devolução do terminal carioca às dificuldades geradas pela crise econômica que atingiu o Brasil nos últimos anos. A intenção da companhia é repassar a administração do ativo para uma nova operadora, que assumiria após a realização de um leilão.

O aditivo assinado nesta segunda deve indicar os compromissos da empresa com o aeroporto até a chegada de uma nova administradora, além de definir as bases da indenização a ser paga, levando em conta a quitação de outorga e os investimentos realizados pela concessionária.

Na terça (8), a diretoria da Anac aprovou a proposta de aditivo com base no cronograma original de pagamento de outorga, firmado em 2014, o ano inicial da concessão do Galeão.

Esse ponto, entretanto, foi contestado pela RIOgaleão. Para a concessionária, a Anac deveria levar em consideração um acerto assinado em 2017.

Na ocasião, a empresa teve autorização para reprogramar o cronograma original das parcelas de outorga. Ao antecipar pagamentos de 2017 e 2018 ao governo, conseguiu em contrapartida postergar os repasses seguintes, de 2019 a 2022.

A reprogramação gerou um alívio momentâneo para o caixa da concessionária. Com a volta ao cronograma original, o temor para a companhia é sair do negócio com a indenização impactada.

A diretoria da Anac, por outro lado, entendeu que o atendimento ao pedido da RIOgaleão poderia criar uma brecha para outras empresas buscarem a renegociação dos seus cronogramas e, mais tarde, a relicitação.

"O RIOgaleão reitera que avalia como abusiva e ilegítima inclusão das cláusulas que ignoram a legalidade e a validade do cronograma de pagamento do contrato vigente, assinado com a Anac em 2017, após vultosa antecipação de outorga ao governo federal", afirmou a concessionária nesta segunda.

A empresa diz que antecipou R$ 2,5 bilhões à época. "Desde o início da concessão, em 2014, todas as obrigações e investimentos previstos no contrato de concessão estão sendo entregues pelo RIOgaleão e atestados pela Anac", acrescentou.

Sem a assinatura do aditivo, o pedido de devolução do aeroporto perderia seus efeitos e inviabilizaria o avanço da relicitação neste momento.

O plano do Ministério da Infraestrutura é negociar o Galeão em conjunto com o aeroporto Santos Dumont, que também fica no Rio e é administrado pela Infraero. Um mesmo comprador poderia levar os dois ativos.

A pasta chegou a projetar o leilão para 2023. Analistas, porém, consideram o prazo apertado, ainda mais com a troca de governo.

O aeroporto internacional do Galeão está localizado na Ilha do Governador. O ativo foi planejado para receber aeronaves de grande porte e também exerce papel relevante no transporte de cargas do Rio. Contudo, vem passando por um processo de esvaziamento nos últimos anos.

"O RIOgaleão seguirá o compromisso de atuar pela evolução comercial e operacional do Aeroporto Internacional Tom Jobim até que um novo operador seja definido", disse a concessionária nesta segunda.