Mercado fechará em 4 h 38 min
  • BOVESPA

    112.399,94
    -2.028,24 (-1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.416,95
    -269,08 (-0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,19
    -0,25 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.777,60
    +11,90 (+0,67%)
     
  • BTC-USD

    62.548,57
    +657,26 (+1,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.457,94
    -5,42 (-0,37%)
     
  • S&P500

    4.507,53
    +21,07 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    35.373,66
    +115,05 (+0,33%)
     
  • FTSE

    7.204,47
    +0,64 (+0,01%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.348,00
    +57,50 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4694
    +0,0779 (+1,22%)
     

Dona de imóvel receberá R$ 2,5 mil por ser chamada de “cafetina de prostíbulo”

·1 minuto de leitura
Juiz dando sentença
Desembargador entendeu que houve "intenção inequívoca de difamar a condômina"

(Getty Creative)

  • Proprietária de imóvel será indenizada por danos morais em R$ 2,5 mil

  • Síndico e moradores do prédio a acusaram de ser "cafetina de prostíbulo" 

  • Caso aconteceu devido às atividades das mulheres que alugavam o imóvel 

Os moradores de um condomínio do Distrito Federal, assim como o síndico do local, foram condenados a pagar R$ 2,5 mil à proprietária de um dos apartamentos por danos morais. Ela havia sido acusada de ser “cafetina de prostíbulo”.

As acusações aconteceram após a dona alugar o imóvel para duas mulheres que “faziam programas sexuais no local”, conforme apontado pelos vizinhos e divulgado pelo G1. Ela, no entanto, não sabia o que estava acontecendo.

Leia também: 

O ápice da intriga ocorreu quando o síndico do prédio trocou a fechadura do apartamento, impedindo tanto a entrada das inquilinas quanto da mulher. O caso aconteceu entre 2018 e 2019 e a sentença foi divulgada na semana passada.

"[...] houve uma ofensa aos direitos de personalidade da vítima, tais como a honra e a imagem, com intenção inequívoca de difamar a condômina", disse o desembargador Roberto Freitas Filho.

O foco do processo foi a difamação contra a proprietária, e não as atividades irregulares que supostamente aconteciam no imóvel. Apesar de pedir indenização de R$ 30 mil, a dona receberá o valor bem abaixo, entendido pelos magistrados como justo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos